Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h00.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 04/01/2017. Alterada em 04/01 às 22h02min

Possibilidades e desafios da cadeia do leite

Zé Nunes
O Rio Grande do Sul possui a segunda bacia leiteira do País, ficando atrás, apenas, de Minas Gerais. A nossa produção equivale a 12,5 milhões de litros/dia, mobilizando mais de 199 mil famílias de produtores. A cadeia possui elevada importância para a economia de aproximadamente 94% dos municípios gaúchos, gerando emprego e renda de maneira descentralizada.
Entre os desafios, está a possibilidade de concentração de todo processo produtivo e de industrialização em poucas indústrias, ou mesmo uma internacionalização arriscada que pode colocar em jogo a base produtiva no Estado, formada em sua maioria por pequenas unidades familiares. Políticas públicas, como o Prodeleite, o Fundoleite e o Instituto Gaúcho do Leite (IGL), constituem-se como instrumentos de indução deste importante setor e apontam na perspectiva de uma política de Estado para atividade leiteira.
O governo José Ivo Sartori (PMDB), diante de sua incapacidade de apresentar uma estratégia de médio e longo prazo para a economia, ameaça este setor com sua visão de redução das políticas públicas. O PL 214, que prevê a redução de créditos presumidos e a decisão tomada no dia 28 de dezembro de 2016, rompe o convênio com o IGL e não repassa os recursos do Fundoleite para o Instituto Implementar.
Como agricultor, engenheiro agrônomo, cooperativista e deputado estadual, atuo na Assembleia Legislativa como militante do setor leiteiro e da agricultura familiar para evitar este conjunto de retrocessos. Além disso, o desmonte da estrutura pública e a temerária tomada de decisões, submetidas às decisões do Estado e de alguns poucos grandes produtores, nos impõe a luta para ampliar o significado do papel estratégico do leite para nossa economia, buscando a ampliação de recursos e mercados para os produtos gaúchos, tendo como prioridade a produção leiteira das pequenas propriedades familiares.
Deputado estadual (PT)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia