Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de janeiro de 2017. Atualizado às 22h19.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 03/01/2017. Alterada em 02/01 às 23h20min

Conhecimento não é piada

Tomás Pinheiro Fiori
Desde a década de 1950, os economistas alertam: o maior problema dos países pobres não é a falta de recursos, mas o seu desperdício. A essência está na baixa qualificação, ao que se somam os incentivos perversos de um sistema político que está longe de selecionar os mais preparados. Economistas modernos chamam isso de "capital humano", um ativo intangível que leva décadas para se construir.
Não vemos, mas o Rio Grande do Sul perde bilhões em recursos dessa forma. Recentemente, devolvemos à União o dinheiro para a construção de três presídios por falta de técnicos na Secretaria de Obras. Por isso, estamos permutando patrimônio por obras prontas, não por ser melhor ou mais barato.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia