Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de janeiro de 2017. Atualizado às 19h49.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 11/01 às 20h52min

Dossiê vazado sobre Trump circulou em Washington durante meses

A história segundo a qual funcionários da inteligência dos Estados Unidos apresentaram ao presidente eleito Donald Trump alegações de que a Rússia teria informações pessoais e financeiras comprometedoras sobre ele havia circulado em Washington em outubro. Os supostos esforços russos foram descritos no dossiê agora lançado ao público e que havia sido produzido em agosto.
Em outubro, a revista Mother Jones descreveu como um ex-espião ocidental que tinha como incumbência monitorar os laços russos de Trump para uma companhia privada norte-americana havia apresentado suas conclusões ao FBI em agosto. Essas conclusões, de acordo com a revista, apontavam que Trump havia sido monitorado pela inteligência russa durante as visitas dele a Moscou, o que poderia ter resultado em material para ser usado para chantageá-lo ou minar sua presidência.
Na quarta-feira, o Wall Street Journal identificou o autor do dossiê como Christopher Steele, diretor da Orbis Business Intelligence, sediada em Londres, que recusou pedidos de entrevista. Outro diretor da Orbis disse ao Journal que "nem confirmava nem negava" que a empresa tivesse produzido o relatório.
Na noite de terça-feira, a rede CNN informou que Trump havia sido informado sobre as conclusões do investigador no episódio. O BuzzFeed, por sua vez, publicou o dossiê de 35 páginas. O site defendeu a divulgação dizendo que os norte-americanos devem formar suas conclusões sobre as alegações em relação ao presidente eleito. Outros meios de comunicação retiveram detalhes do caso já que havia alegações não verificadas que não podiam confirmar.
Trump negou a veracidade das informações no Twitter e também durante a entrevista coletiva desta quarta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia