Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h44.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Alemanha

Notícia da edição impressa de 11/01/2017. Alterada em 10/01 às 20h27min

Ex-presidente Roman Herzog morre aos 82 anos

INT - Roman Herzog, ex-presidente alemão morto aos 82 anos - internacional - Alemanha
Portrait taken on October 29, 2014 shows former German President Roman Herzog during a reception on the occasion of his 80th birthday at Bellevue castle in Berlin.
 
Former German President Roman Herzog has died at the age of 82 on January 10, 2017. Herzog, a former conservative regional politician and chief judge of Germany's highest court, served in the largely ceremonial post as head of state from 1994-99. / AFP PHOTO / dpa / Maurizio Gambarini / Germany OUT

INT - Roman Herzog, ex-presidente alemão morto aos 82 anos - internacional - Alemanha Portrait taken on October 29, 2014 shows former German President Roman Herzog during a reception on the occasion of his 80th birthday at Bellevue castle in Berlin. Former German President Roman Herzog has died at the age of 82 on January 10, 2017. Herzog, a former conservative regional politician and chief judge of Germany's highest court, served in the largely ceremonial post as head of state from 1994-99. / AFP PHOTO / dpa / Maurizio Gambarini / Germany OUT


MAURIZIO GAMBARINI/AFP/JC
Roman Herzog, presidente da Alemanha entre 1994 e 1999, morreu ontem aos 82 anos. Nascido na Baviera (Sul do país), Herzog presidiu a Corte Constitucional alemã antes de virar o primeiro chefe de Estado eleito por representantes da Alemanha unificada. No cargo sem papel executivo, mas que permite uma grande liberdade de expressão, causou polêmica com um discurso em 1997, no qual incentivou os alemães a aceitar reformas. "Devemos dizer adeus a nossos amados direitos adquiridos. Estão todos afetados, todos devem fazer sacrifícios, todos devem contribuir", afirmou, pouco anos antes das grandes reformas do Estado impostas pelo chanceler social-democrata Gerhard Schröder.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia