Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de janeiro de 2017. Atualizado às 11h06.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

Alterada em 09/01 às 12h09min

'Não me espanta', diz Trump sobre discurso de Meryl Streep no Globo de Ouro

A fala de Meryl soou como recado ao presidente eleito

A fala de Meryl soou como recado ao presidente eleito


KEVIN WINTER/Getty Image/AFP/JC
"As palavras de alguém do movimento liberal não me espantam". Esta foi a resposta do presidente eleito dos EUA Donald Trump ao discurso de Meryl Streep, proferido durante a noite de desta domingo (8) na cerimônia dos Globo de Ouro. Ele também definiu a atriz como uma 'Hillary Lover' (uma amante de Hillary Clinton) após Meryl o denunciar como uma valentão que desrespeitou e humilhou os outros.
Em entrevista ao jornal The New York Times, Trump disse que não tinha visto as observações da atriz ou outras partes da cerimônia, que foram transmitidas pela NBC, mas acrescentou que "não estava surpreso com os liberais de cinema".
O Globo de Ouro foi o último grande evento em Hollywood antes da posse de Trump, que será em 20 de janeiro, uma transferência de poder que muitos na indústria do entretenimento têm lamentado.
No discurso a atriz disse: "se os deportássemos (os estrangeiros), estaríamos só vendo futebol e artes marciais." A fala de Meryl soou como recado ao presidente eleito. Ela se lembrou ainda que o Globo de Ouro é entregue pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA, na sigla original).
Outra crítica da atriz foi sobre o episódio em que Trump imitou o repórter Serge Kovaleski, do The New York Times, que sofre de uma doença congênita.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia