Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 07 de janeiro de 2017. Atualizado às 17h11.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 07/01 às 18h13min

FBI afirma que atirador foi à Flórida só para realizar ataque

Durante coletiva de imprensa neste sábado (7), policias do FBI afirmaram que, provavelmente, o atirador Esteban Santiago saiu do Alasca para Fort Lauderdale, na Flórida, especificamente para realizar o ataque no aeroporto, embora eles não tenham descoberto nenhuma motivação para isso durante as investigações. Eles acreditam que o atirador agiu sozinho, e que possuem várias pistas importantes sobre o caso.
Esteban, um veterano do exército de Anchorage, no Alasca, matou cinco e feriu seis ontem em Fort Lauderdale. Membros da polícia norte-americana afirmam que o atirador tinha uma arma semi-automática, e eles esperam formalizar as acusações contra ele ainda hoje. O FBI tomou depoimentos da família do suspeito.
O irmão de Esteban questionou hoje o motivo pelo qual seu irmão foi autorizado a manter a posse de sua arma, já que as autoridades americanas sabiam que ele se tornava cada vez mais paranoico e dizia ouvir vozes.
O atirador enfrentou problemas para controlar sua raiva depois de servir no Iraque, e disse a seu irmão que sentia que estava sendo perseguido e controlado pela CIA através de mensagens secretas pela internet. Quando ele falou a agentes, em um escritório do FBI, sobre seus problemas em novembro, ele foi avaliado por quatro dias, depois liberado sem qualquer medicação ou terapia de acompanhamento.
"O FBI falhou", disse Bryan Santiago à Associated Press. "Não estamos falando de alguém que saiu do anonimato para fazer algo assim". Falando em espanhol na casa de sua família, o irmão disse: "O governo federal já sabia disso há meses, eles estavam avaliando-o por um tempo, mas eles não fizeram nada".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia