Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h34.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 12/01/2017. Alterada em 11/01 às 22h36min

Acusados de participação em chacina no Amazonas são transferidos para prisões federais

Dezessete detentos foram transferidos ontem de estabelecimentos prisionais do Amazonas para presídios federais de segurança máxima. Os presos remanejados são suspeitos de ter comandado e participado dos assassinatos de pelo menos 56 internos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) e de quatro apenados da Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), logo no início de janeiro.
As transferências foram autorizadas pela Justiça Federal. Quatorze presos cumpriam pena no Compaj e três, na UPP. O destino de cada detento não foi confirmado. Entre os condenados transferidos está Márcio Ramalho Diogo, conhecido como Garrote, um dos primeiros a serem identificados como mandantes do massacre. Garrote também é um dos líderes da facção criminosa Família do Norte (FDN), que disputa o controle do narcotráfico na região.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia