Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h34.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 12/01/2017. Alterada em 11/01 às 20h53min

Escola denuncia ao MP e ao Crea impacto de obras da trincheira da Cristóvão Colombo

Área onde muro foi demolido está coberta por tapumes desde agosto

Área onde muro foi demolido está coberta por tapumes desde agosto


FREDY VIEIRA/JC
Isabella Sander
O canteiro de obras da trincheira na avenida Cristóvão Colombo, na zona Norte de Porto Alegre, é motivo de mais um imbróglio. Desta vez, a Escola Amigos do Verde, localizada ao lado da trincheira, denunciou ao Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) e ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Sul (Crea-RS) os impactos da obra e o não cumprimento de prazos por parte da prefeitura e da EPT, construtora licitada para a execução. Entre 2013 e 2014, já havia transcorrido uma disputa judicial relativa ao corte de árvores do terreno da instituição de ensino, decorrente da mesma obra.
A denúncia ao MP-RS se deu a partir das promotorias de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística, e Justiça da Infância e da Juventude. As promotorias asseguraram à direção que agendarão uma audiência sobre o tema. Uma das reclamações é referente a um muro de pedra do colégio, no lado da Cristóvão, que foi demolido pela empreiteira a fim de alargar a via, reconstruído, e tombou em agosto, em função da intervenção. "Descobrimos que não havia um projeto de amarração para reconstruir o muro. Estava quase pronto, e caiu tudo. A escola inteira, que fica em um prédio de 1936, tremeu na ocasião, foi um susto", relata a diretora da instituição, Luna Behrends.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia