Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de janeiro de 2017. Atualizado às 16h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 11/01 às 17h38min

Taxas de juros encerram sessão regular perto da estabilidade à espera do Copom

Os juros futuros encerraram a sessão regular desta quarta-feira perto da estabilidade, enquanto analistas e investidores esperam a decisão do Copom sobre a Selic. Segundo profissionais de renda fixa, as taxas foram influenciadas mais pelo comportamento dos ativos no exterior do que pelo noticiário doméstico. "Como o IPCA veio em linha com o esperado, o evento mais importante do dia acabou sendo a entrevista de Donald Trump", afirmou um profissional do segmento.
Nas palavras do operador sênior de renda fixa da Renascença DTVM, Luis Felipe Laudisio, a entrevista do presidente eleito dos EUA não trouxe surpresas e ficou alinhada ao tom dos últimos pronunciamentos do republicano - sobretudo, via Twitter. Assim, perdeu força a alta do dólar ante várias moedas - inclusive o real. Os juros dos principais vencimentos dos Treasuries também caíram.
Diante dessa trajetória dos ativos no exterior, a alta dos juros futuros, registrada na parte da manhã, acabou perdendo força. O DI para janeiro de 2018 encerrou a sessão regular em 11,335% ante 11,330% no ajuste de terça-feira e 11,355% na máxima intraday.
O DI para janeiro de 2019 fechou a 10,84% ante 10,82% no ajuste de terça e 10,91% na máxima intraday. Já o DI Para janeiro de 2021 fechou em 11,11% ante 11,10% no ajuste de terça e 11,23% na máxima desta quarta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia