Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de janeiro de 2017. Atualizado às 15h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 11/01 às 16h37min

Maioria das Bolsas da Europa fecha em alta antes de coletiva de Trump

As principais bolsas europeias fecharam majoritariamente em alta nesta quarta-feira, 11, com os investidores esperando pela entrevista coletiva do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Londres voltou a ser beneficiada pela fraqueza da libra em parte da sessão e renovou sua máxima histórica de fechamento.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,23%, aos 364,90 pontos.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou com ganhos de 0,21%, em 7.290,49 pontos, após bater na máxima intraday 7.328,51 pontos. A libra chegou a bater mínima em três meses ante o dólar, ampliado as perdas do dia anterior, pressionada pelo déficit da balança de bens do Reino Unido, que cresceu em novembro ante outubro e veio acima das expectativas.
Dados negativos tendem a levar o Banco da Inglaterra (BoE) a manter ou ampliar estímulos monetários, o que mantém a moeda britânica pressionada. O recuo da libra e a alta nos preços do petróleo beneficiaram as petroleiras: a Royal Dutch Shell subiu 1,15% e a BP avançou 0,31%.
Em Frankfurt, o índice DAX avançou 0,54%, aos 4.888,71 pontos, os investidores também esperaram pela entrevista de Donald Trump. A Volkswagen subiu 3,4%, impulsionada pela declaração de culpa da montadora em relação à fraude em testes de emissões de poluentes, dizendo que iria pagar US$ 4,3 bilhões para resolver acusações criminais nos EUA. A Thyssenkrupp, do setor industrial, avançou 3,32%. Já o Deutsche Bank fechou em alta de 2,32%.
O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, subiu 0,01%, aos 4.888,71 pontos, impulsionado pelo setor automobilístico. A Peugeot liderou os ganhos e avançou 3,38%, já a Renault teve alta de 0,55%. A Engie, no entanto, caiu 2,98% após o governo francês vender mais ações da empresa de energia elétrica do que havia anunciado anteriormente.
Em Milão, o índice FTSE-MIB avançou 0,32%, aos 19.486,88 pontos, com a Telecom Itália liderando os ganhos em alta de 2,17%. O setor financeiro, no entanto, recuou diante de especulações, divulgadas na terça-feira, 10, de que o Popolare di Vicenza e o Veneto Banca também podem precisar de resgate oficial, após a ajuda dada ao Monte dei Paschi. Nesta quarta, o Intesa Sanpaolo caiu 0,16%; o Unicredit recuou 2,01% e o Banco BPM teve queda de 2,23%.
O PSI-20, da Bolsa de Lisboa, e o Ibex-35, da Bolsa de Madri, foram os destaques negativos do dia. O primeiro caiu 0,61%, aos 4.589,92 pontos, e o segundo recuou 0,46%, aos 9.408,60 pontos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia