Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de janeiro de 2017. Atualizado às 12h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

Alterada em 11/01 às 13h21min

Demanda aérea global cresce 7,6% em novembro ante novembro de 2015, diz Iata

Resultado marca o maior crescimento na demanda nos últimos nove meses no mundo

Resultado marca o maior crescimento na demanda nos últimos nove meses no mundo


MARIVALDO OLIVEIRA/AE/JC
A demanda global por viagens aéreas cresceu 7,6% em novembro de 2016 na comparação com o mesmo mês de 2015, informou, nesta quarta-feira (11), a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês). Segundo a entidade, o resultado de novembro marca o maior crescimento na demanda nos últimos nove meses.
"A demanda mais forte por viagens aéreas reflete uma recuperação no ciclo econômico global", diz, em nota, o diretor-geral e presidente da Iata, Alexandre de Juniac. "Conforme o estímulo gerado pelos menores preços de petróleo fica para trás, a força do atual ciclo econômico ganha papel central no ritmo de crescimento da demanda em 2017".
Já a oferta global por viagens aéreas avançou 6,5% em novembro na comparação com o mesmo período de 2015. Assim, como a demanda cresceu em ritmo mais elevado do que a oferta, a taxa de ocupação das aeronaves melhorou e atingiu 78,9% em novembro, uma alta de 0,8 ponto porcentual (p.p.) na base anual.
Separando por regiões, a Iata destaca que o maior aumento na taxa de ocupação global em novembro ocorreu na América Latina. O índice chegou a 81,8%, um crescimento de 2,9 p.p. na base anual, com a demanda avançando 4,8% e a oferta expandindo 1,1%.
Por outro lado, a taxa de ocupação no Oriente Médio recuou 0,1 p.p. em novembro, para 68,8% (os aumentos na demanda e oferta foram de 11% e 11,3%, respectivamente). O mercado com a maior taxa de ocupação em novembro foi o da América do Norte, com 83%, um crescimento de 0,6 p.p. na base anual (a demanda aumentou 3,1% e a oferta cresceu 2,3%).
No segmento doméstico global, a entidade informa que a demanda avançou 7,1% em novembro, enquanto a oferta cresceu 6,1% na base anual. Desta maneira, a taxa de ocupação doméstica global aumentou 0,8 p.p., para 82,2%.
A Iata destaca, no entanto, que os resultados regionais do segmento doméstico continuam variando bastante entre si. Índia, Rússia e China mostraram um crescimento forte na demanda, de 22,3%, 15,5% e 14,9%, respectivamente, enquanto o Brasil e o Japão registraram quedas na demanda doméstica em novembro, respectivamente de 1,6% e 0,5%.
Em relação ao mercado brasileiro, os dados da Iata mostram que a oferta doméstica em novembro teve uma queda mais forte, de 5,2% na base anual, levando a taxa de ocupação doméstica a aumentar 2,9 p.p., para 80,9%.
No segmento internacional, a demanda global aumentou 8% em novembro na base anual, com a oferta crescendo 6,8% - com isso, a taxa de ocupação aumentou 0,9 p.p., para 77,1%. A Iata destaca que todas as regiões do mundo (Ásia-Pacífico, Europa, Oriente Médio, América do Norte, América Latina e África) registraram aumento na demanda internacional no mês.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia