Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de janeiro de 2017. Atualizado às 11h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

11/01/2017 - 12h16min. Alterada em 11/01 às 12h16min

Mais de 95% dos trabalhadores sacam abono salarial em 2016

Mais de 22,61 milhões de trabalhadores sacaram o abono salarial do PIS/Pasep ano-base 2014, cujo prazo encerrou em 30 de dezembro. De acordo com o Ministério do Trabalho, o número corresponde a 95,93% das pessoas com direito ao benefício. Os valores pagos somaram R$ 18,8 bilhões.
Cada trabalhador recebeu R$ 880, o equivalente a um salário mínimo em 2016. Os recursos que não foram sacados a voltaram para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). O abono é pago para quem trabalhou com carteira assinada no ano anterior por mais de 30 dias e recebeu até dois salários mínimos.
Foi a segunda maior taxa de cobertura da história, ficando atrás de 2009, quando 96,3% dos beneficiários sacaram o abono. O Estado com maior cobertura foi Sergipe, onde 99,63% dos trabalhadores sacaram o benefício. O Acre registrou menor porcentual de saques, apenas 74,45%.
Em nota, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, afirmou que o governo federal se esforçou para que o recurso chegasse até os trabalhadores, adiando, por duas vezes, o prazo para o saque do benefício."Fizemos o adiamento justamente para que os trabalhadores mais humildes pudessem sacar um dinheiro que é deles por direito", disse o ministro. O ministério destacou ainda que foram enviadas correspondências, e-mails e malas diretas aos trabalhadores e empresas informando do benefício.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia