Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de janeiro de 2017. Atualizado às 11h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

11/01/2017 - 09h18min. Alterada em 11/01 às 12h08min

IPCA de 2016 fecha em 6,29% e abaixo da meta superior do governo

Taxa acumulada pela inflação no ano de 2016 foi de 6,29%

Taxa acumulada pela inflação no ano de 2016 foi de 6,29%


ANTONIO PAZ/JC
A inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou em 6,29% em 2016. A taxa acabou ficando abaixo da meta superior da política macroeconômica que é de 6,5% ano ano. As previsões do governo variavam de 6,26% a 6,40%, com mediana de 6,34%. Desde 2014, isso não ocorria. Nesta quarta, o Comitê de Política Monetária (Copom) deve decidir a nova taxa de juro básica (Selic), e o mercado espera corte.
Em dezembro, o índice teve alta de 0,30%, ante uma variação de 0,18% em novembro, informou nesta quarta-feira (11) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas, que iam de uma taxa de 0,28% a 0,44%, com mediana de 0,35%.
O indicador mostrou, por outro lado, que houve estouro da meta em sete das 13 regiões metropolitanas pesquisada, entre eles Porto Alegre, onde o IPCA ficou em 6,95%. O maior resultado foi registrado em Fortaleza, com alta de 8,34%. Campo Grande teve inflação de 7,52%; Recife, de 7,10%; Belém, de 6,77%; Salvador, de 6,72%; e Belo Horizonte, de 6,60%. Nas demais, a taxa ficou em 6,335 no Rio de Janeiro, São Paulo teve 6,13%, Brasília (5,62%), Goiânia (5,25%), Vitória (5,11%) e Curitiba (4,43%). 
As passagens aéreas, a gasolina e o cigarro foram os itens que mais pressionaram a inflação medida pelo IPCA em dezembro, informou o IBGE. As passagens aéreas aumentaram 26,29% no último mês do ano, o equivalente a uma contribuição de 0,10 ponto porcentual para a taxa de 0,30% registrada pelo IPCA em dezembro. A gasolina subiu 1,75%, um impacto de 0,07 ponto porcentual, enquanto o cigarro aumentou 4,80%, com 0,05 ponto porcentual de contribuição. Os três itens responderam juntos por 0,22 ponto porcentual do IPCA, ou seja, 73% de toda a inflação do mês.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia