Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

INDÚSTRIA

Notícia da edição impressa de 11/01/2017. Alterada em 10/01 às 22h33min

Mercedes-Benz não espera recuperação do mercado automotivo neste ano

VIEW OF THE GERMAN CARMAKER MERCEDES-BENZ PLANT IN SAO BERNARDO DO CAMPO, 25 KM SOUTH OF SAO PAULO, BRAZIL ON MAY 15, 2015. SALES AND PRODUCTION OF VEHICLES IN BRAZIL HAD SHARP DECLINES IN THE FIRST QUARTER OF 2015: 881,770 VEHICLES WERE MANUFACTURED, 17.5% LESS THAN IN THE SAME PERIOD OF 2014, AND 893,630 WERE SOLD, 19.2% LESS, ACCORDING TO THE ASSOCIATION OF CAR MANUFACTURERS ANFAVEA. AFP PHOTO / NELSON ALMEIDA

VIEW OF THE GERMAN CARMAKER MERCEDES-BENZ PLANT IN SAO BERNARDO DO CAMPO, 25 KM SOUTH OF SAO PAULO, BRAZIL ON MAY 15, 2015. SALES AND PRODUCTION OF VEHICLES IN BRAZIL HAD SHARP DECLINES IN THE FIRST QUARTER OF 2015: 881,770 VEHICLES WERE MANUFACTURED, 17.5% LESS THAN IN THE SAME PERIOD OF 2014, AND 893,630 WERE SOLD, 19.2% LESS, ACCORDING TO THE ASSOCIATION OF CAR MANUFACTURERS ANFAVEA. AFP PHOTO / NELSON ALMEIDA


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
O esperado início de recuperação do mercado de veículos em 2017 será insuficiente para que a Mercedes-Benz feche o ano no azul em suas operações no Brasil, afirmou ontem o vice-presidente de Vendas e Marketing de Caminhões e Ônibus da montadora no País, Roberto Leoncini. "Em 2016 não deu, e neste ano provavelmente não vai dar também", disse.
Segundo ele, há três anos, a Mercedes-Benz não tem resultados positivos no Brasil, em razão de fatores conjunturais que afetam o mercado. "Com preços de 2010, custos de 2016 e volumes de 20 atrás, a conta não fecha", afirmou. Os números devem ser divulgados em fevereiro em balanço global da empresa. "O resultado aparecerá como América Latina, mas mais de 80% é Brasil", disse Leoncini.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia