Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de janeiro de 2017. Atualizado às 17h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

10/01/2017 - 16h22min. Alterada em 10/01 às 18h06min

Abate de animais cresce 0,77% no Rio Grande do Sul em 2016

Houve aumento do número de bovinos abatidos sob inspeção federal em 2016

Houve aumento do número de bovinos abatidos sob inspeção federal em 2016


MARCO QUINTANA/JC
Amanda Jansson Breitsameter
O Rio Grande do Sul abateu quase 842,8 milhões de cabeças no ano passado, alta de 0,77% sobre a produção de 2015, segundo levantamento realizado pelo Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa). Foram abatidos 832,3 milhões de aves, 8,2 milhões de suínos e quase 2 milhões de bovinos, rebanho que teve a maior alta, de 4,73%.
Os dados ainda trazem os abates de ovinos (189,7 mil) e bubalinos (11,03 mil). Em 2015, o número de abates ficou em 836,4 milhões de cabeças. O levantamento é realizado com base na emissão de Guias de Trânsito Animal (GTA) e aponta abates para estabelecimentos sob inspeção federal, estadual e municipal. A apuração serve para verificar o nível de participação dos produtores no pagamento das taxas que compõem o fundo.
Um dos dados que chamou a atenção foi o aumento do número de bovinos abatidos sob inspeção federal (SIF) em 2016. Foram mais de 52 mil cabeças em relação ao ano anterior. Abater na modalidade SIF permite que a cadeia exporte o produto para outros estados e países. O Rio Grande do Sul aumentou a exportação de bovinos para mercados internacionais, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior, em quase 5 mil toneladas. Isso elevou o faturamento do ano passado em mais de US$ 22 milhões em relação a 2015.
Já no País, o movimento do segmento de carne bovina foi contrário. As exportações reduziram em volume e, especialmente em faturamento. Houve, conforme a Secex, queda de dois milhões de toneladas e quase US$ 300 milhões em faturamento.
“A situação da economia gaúcha fez com que as empresas detentoras da inspeção federal buscassem mercados em outros países, o que acabou permitindo que o Estado evoluísse, caminhando no sentido oposto ao cenário nacional, de queda”, explica o presidente do Fundesa, Rogério Kerber.
Confira os números por ano no RS (fonte Fundesa):
 Rebanho  2014  2015  2016  Variação
2015-2016 (%)
 Aves  760.074.190  826.317.328  832.390.646      0,73%
 Suínos   7.952.252   7.906.133    8.280.785      4,73%
 Bovinos   2.075.820   1.953.312    1.990.380      1,89%
 Ovinos     247.062     211.398      189.703    -10,26%
 Bubalinos      13.758     14.026       11.037    -21,31%
TOTAL  770.363.082  836.402.197  842.862.551       0,77%
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia