Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 09/01 às 19h29min

Dólar recua em Nova Iorque ante rivais em dia de aversão a risco

O dólar recuou ante seus principais rivais nesta segunda-feira, 9, em meio a uma aversão a risco por parte dos investidores, que acabou afetando, também, os juros dos Treasuries e os índices acionários de Wall Street.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar recuava de 117,01 ienes na tarde de sexta-feira para 116,04 ienes; o euro subia de US$ 1,0534 para US$ 1,0571.
A libra, por sua vez, caía de US$ 1,2288 para US$ 1,2161, refletindo temores sobre o Brexit após a primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmar que o Reino unido não poderá manter "porções" de filiação à União Europeia e enfatizar a importância de se adotar controles de imigração. A libra chegou a atingir mínima em 10 semanas ante o dólar.
Segundo analistas, não houve um catalisador fundamental que determinasse a queda do dólar ante o euro e o iene nesta segunda-feira. Nos últimos meses, o dólar disparou e passou a subir ante seus principais rivais, apoiado na vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais americanas e na alta das taxas de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que já indicou que deve aumentar os juros três vezes a cada ano até 2019.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia