Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 08 de janeiro de 2017. Atualizado às 19h11.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

Alterada em 08/01 às 20h14min

Irã recebe primeiro avião adquirido desde fim das sanções

O Irã tomou posse de seu primeiro novo avião desde que as sanções contra o país foram suspensas, dando início à reformulação de uma frota aérea envelhecida. A fabricante de aviões europeia Airbus disse na terça-feira que "a aceitação técnica" da primeira aeronave pela transportadora estatal iraniana, Iran Air, foi concluída, marcando efetivamente a transferência da propriedade do produto. Um evento formal de entrega ocorrerá numa data posterior.
Farhad Parvaresh, executivo-chefe da Iran Air, disse que piloto e copiloto do avião estão na França esperando para voar para o Irã esta semana, conforme informações da agência de notícias oficial do Irã. A companhia planeja usar o avião para voos domésticos, segundo Parvaresh.
A Iran Air fechou no ano passado acordos para comprar 100 aviões da Airbus e outros 80 da Boeing, maior fabricante mundial de aeronaves. As encomendas valem mais de US$ 34,5 bilhões considerando o preço de listagem, embora os compradores normalmente obtenham descontos.
Os acordos de aeronaves são os negócios de maior destaque entre empresas ocidentais e o Irã desde a conclusão de um acordo nuclear em 2015 entre as potências mundiais, incluindo os EUA, e Teerã. Os críticos do pacto nuclear nos EUA tentaram bloquear as vendas de aeronaves para o Irã, introduzindo medidas no Congresso para impedir o financiamento, mas esses esforços até agora não conseguiram impedir os negócios.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia