Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de janeiro de 2017. Atualizado às 20h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 06/01 às 21h47min

Dólar avança ante rivais em Nova Iorque apoiado pelos dados de emprego nos EUA

O dólar avançou de forma generalizada nesta sexta-feira (6), apoiado pelo relatório de empregos dos Estados Unidos, conhecido como payroll, que mostrou um recuo das contratações em dezembro, mas apontou para o maior crescimento salarial no país desde 2009.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar avançava para 117,01 ienes de 115,57 ienes na tarde de ontem; o euro caiu para US$ 1,0534 de US$ 1,0598; e a libra recuou para US$ 1,2288 de US$ 1,2414.
O relatório de emprego divulgado pelo Departamento do Trabalho mostrou que os EUA criaram 156 mil empregos em dezembro, enquanto a taxa de desemprego subia para 4,7% em naquele mês ante novembro. Economistas consultados pelo Wall Street Journal esperavam a criação de 183 mil empregos.
Analistas disseram que um aumento de 2,9% nos salários, o maior ganho anual em mais de sete anos, deu apoio ao dólar.
"O que mais importa no momento é o aumento dos números dos salários", disse Mark McCormick, estrategista da TD Securities. "O dado se encaixa nessa narrativa de que a inflação está começando a acelerar. Isso, junto com os estímulos fiscais que estão por vir, fornece mais impulso para o dólar no primeiro trimestre", completou.
A perspectiva de uma aceleração da inflação aumenta as chances de o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) elevar os juros. Tipicamente, juros maiores beneficiam a moeda americana, que fica mais atrativa para investidores em busca de recursos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia