Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de janeiro de 2017. Atualizado às 20h59.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

Festival

Notícia da edição impressa de 11/01/2017. Alterada em 10/01 às 17h14min

Companhia Jovem de Dança dá início a 23ª Mostra de Dança Verão

Companhia Jovem de Dança abre a 23ª Mostra de Dança Verão

Companhia Jovem de Dança abre a 23ª Mostra de Dança Verão


SECRETARIA MUNICIAL DA CULTURA/DIVULGAÇÃO/JC
Luiza Fritzen
A diversidade no mundo da dança sobe ao palco em Porto Alegre a partir de amanhã. Danças urbanas, tango, balé, dança do ventre, samba, flamenco, afro, dança contemporânea, jazz, sapateado e outros gêneros integram a 23ª Mostra de Dança Verão, que acontece até domingo, no Teatro Renascença (av. Erico Verissimo, 307), sempre na faixa das 20h. . Os bilhetes podem ser adquiridos no local a partir das 19h.
Um dos objetivos é dar visibilidade para a diversidade coreográfica que a cidade produz e abrir espaço tanto para grupos consolidados quanto para artistas em início de carreira. "Conseguimos fazer uma programação diversificada, na qual a pluralidade está presente em todas as noites e grupos jovens conseguem interagir com grupos da melhor idade", comenta Airton Tomazzoni, organizador do evento.
A edição deste ano teve recorde de inscrições - mais de 250 coreografias - das quais 100 foram escolhidas. Comparativamente, há um aumento em relação a 2016 (quando houve 70 apresentações), apesar da crise pela qual passa a cultura. "Esse crescimento mostra que muitas pessoas querem participar da mostra e que a produção continua intensa apesar da crise. Mais ainda: que a dança tem e segue com um espaço muito forte na produção artística de Porto Alegre", afirma.
Quem dá início à série de espetáculos é a Companhia Jovem de Dança de Porto Alegre, composta por 20 crianças e jovens das escolas preparatórias oriundos de cinco bairros da periferia da Capital. Com base nas experiências dos próprios alunos, o grupo apresenta a coreografia Parmi, que retrata a transição entre infância e adolescência e adolescência e vida adulta.
Os jovens foram orientados pelos bailarinos da Cia. Municipal de Dança Stephanie Cardoso (direção) e Driko Oliveira (coreógrafo). Para Oliveira, o contato com a dança tem poder transformador no desenvolvimento desses alunos e se torna um estilo de vida. "Eles conhecem mais sobre o próprio corpo, sobre espírito de coletividade e união, e adquirem um entendimento melhor da vida que eles levam para a comunidade de onde vem", comenta o dançarino. Outro destaque é a presença inédita de grupos afro como a Cia. de Dança Afro Omodua, o grupo Arte Negra Expressão Contemporânea e Adarrum Coletivo de Danças Negras.
Com apresentações em sequência, a dinâmica do festival possibilita que, em aproximadamente duas horas por noite, o público confira diversos estilos de dança em coreografias cuja execução leva de um a cinco minutos. Para Tomazzoni, possibilitar a interação entre diferentes grupos, tanto no palco como na plateia, é um dos grandes méritos da mostra.
"Diferentes nacionalidades, idades, gêneros, classes sociais e nichos se encontram para assistir ao espetáculo que gostam, mas saem dali conhecendo outros seis ou sete que nem conheciam, conhecendo outros artistas e modalidades de dança." Por não ser competitivo, o festival permite também a interação entre grupos de gêneros distintos. "Muitos grupos que não conseguem assistir uns aos outros dividem o palco, então, em uma noite, um grupo de danças urbanas conhece um novo grupo que veio da periferia e depois um de dança de salão", explica.
Segundo o coordenador, a diversidade de estilos presentes na Mostra de Dança Verão foi adquirida ao longo do tempo. "Tivemos um período em que o balé e a dança contemporânea predominavam - hoje, buscamos mostrar a capilaridade que a dança tem na cidade e o espaço que ela encontra em diversos segmentos."
Com 15 anos de experiência na organização do evento, Tomazzoni acredita que a importância da mostra na Capital diz respeito ao fortalecimento do mercado da dança. "A dança conseguiu se segmentar, achou nichos para se profissionalizar, e a mostra amplia tanto o público que gosta de assistir dança quanto o que se inscreve em aulas de dança", afirma.
A Mostra de Dança Verão é promovida pela Coordenação de Dança da Secretaria da Cultura de Porto Alegre. A programação completa pode ser conferida em http://cdancasmc.blogspot.com.br/.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia