Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 15 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h01.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Responsabilidade Social

Notícia da edição impressa de 16/01/2017. Alterada em 15/01 às 21h40min

Voa, borboleta

Tamara Wagner é a responsável pelo trabalho com os jovens

Tamara Wagner é a responsável pelo trabalho com os jovens


JC
Nicole Feijó
"Crianças são como borboletas ao vento, algumas voam rápido, algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito." A definição é de Alexandre Lemos, da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), e inspirou o nome de uma iniciativa que busca, a partir da fotografia, promover a inclusão social de crianças e adolescentes com qualquer tipo de necessidade especial, o Projeto Borboletas. 
Com início em agosto de 2014, começou a partir da realização de uma tarde especial no parque Germânia, que reuniu crianças e jovens com diferentes deficiências. Quem estava por trás da ideia era a fotógrafa Tamara Wager, que, além de oportunizar um momento de lazer para as crianças, presenteou os pais com fotos dos seus filhos. Ela lembra que se surpreendeu com o interesse dos pais ao divulgar o evento nas redes sociais e, principalmente no dia do encontro, quando avistou muitas crianças chegando até o parque. O sucesso da primeira tarde incentivou a fotógrafa a dar continuidade à iniciativa e, no ano seguinte, o projeto ganhou o nome de Borboletas.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia