Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de dezembro de 2016. Atualizado às 00h15.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 21/12/2016. Alterada em 21/12 às 01h14min

Envelhecimento: finanças e dilemas

Eduardo Danilo Schmitz
O envelhecimento ativo da população é uma grande conquista que trouxe consigo novos desafios para a sociedade. Para as pessoas idosas, que cresceram e aprenderam a viver em um mundo bem diferente, o ambiente em que vivemos demanda contínua aprendizagem e adaptação. Em 2016, o Serviço Social do Comércio (Sesc-RS) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) iniciaram uma pesquisa com o objetivo de analisar o comportamento da terceira idade em relação ao consumo e ao endividamento. Ao todo, foram entrevistados 351 idosos em 7 cidades gaúchas.
A pesquisa mostrou que o grupo de idosos que apresenta os sinais de endividamento não difere do outro grupo no que diz respeito à escolaridade, renda e número de filhos. Também não é diferente em relação ao materialismo e ao significado do dinheiro: ambos mostraram uma postura de aversão as "coisas materiais", ou seja, elas não ocupam um lugar de centralidade em suas vidas nem parecem ter tanta importância para aquilo que entendem por felicidade. No entanto uma peculiaridade foi identificada: o grupo de idosos sem indicativos de endividamento mostrou uma capacidade maior de postergar desejos de compra. Quando questionados sobre a capacidade de adiar um desejo para comprar à vista ou para organizar suas contas, o grupo de endividados admitiu problemas.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia