Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de janeiro de 2017. Atualizado às 20h34.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Entrevista

Notícia da edição impressa de 04/01/2017. Alterada em 03/01 às 21h34min

Cadeia de reciclagem pede desoneração tributária

Hartmann diz que há muitas leis sobre o tema, mas com pouca evolução

Hartmann diz que há muitas leis sobre o tema, mas com pouca evolução


SINPLAST/DIVULGAÇÃO/JC
Lançada há mais de um ano, em maio de 2015, a Frente Parlamentar em Defesa da Cadeia Produtiva de Reciclagem luta para articular melhor as relações entre catadores de lixo, cooperativas e indústria, e tornar o mercado de reciclagem mais competitivo e com a produção cada vez mais intensa. Ainda que o interesse geral da frente parlamentar seja de atuar em todos os campos da reciclagem e também de tornar mais rápida a tramitação dos projetos relacionados ao tema, a prioridade é a negociação pela redução da carga tributária.
Em novembro do ano passado, o coordenador do Comitê Sinplast de Reciclagem, Luiz Henrique Hartmann, esteve em Brasília para definição da estratégia a ser utilizada na busca pela desoneração tributária da cadeia da reciclagem no Brasil. A reunião, capitaneada pelo deputado federal Carlos Gomes, contou ainda com a presença de representantes da Câmara Nacional dos Recicladores de Materiais Plásticos da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast).
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia