Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 01 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h23.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 02/01/2017. Alterada em 30/12 às 16h16min

A realidade aumentada vai mudar o modo de comprar

Luciano Sandoval, diretor Comercial e Marketing da MC1 - divulgação MC1

Luciano Sandoval, diretor Comercial e Marketing da MC1 - divulgação MC1


MC1/DIVULGAÇÃO/JC
Luciano Sandoval
A realidade aumentada nunca esteve tão próxima de nós. Apesar dos diversos cases anteriores com a febre de qr-codes em anúncios e produtos há alguns anos, foi com o Pokémon Go que as pessoas realmente começaram a usar esta tecnologia. A possibilidade de ver os monstrinhos no parque, na rua ou mesmo no sofá da sua casa fez com que as pessoas se divertissem e entendessem de fato o que significa o conceito de realidade aumentada na prática. Com essa familiaridade, torna-se mais fácil apresentar novos projetos de realidade aumentada para diferentes públicos.
A nova febre só é possível graças ao mobile. Hoje, é natural vermos pessoas na rua com seus smartphones na mão. Elas procuram um endereço, trocam mensagens ou registram seu desempenho em uma corrida pelo parque. A verdade é que os smartphones são parte da vida das pessoas, que, muitas vezes, fazem questão de voltar para casa correndo caso tenham esquecido o aparelho em cima do seu criado mudo. Para muitos, é impossível passar um dia sem ele.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia