Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de novembro de 2016. Atualizado às 21h53.

Jornal do Comércio

Geral

CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 25/11/2016. Alterada em 24/11 às 19h47min

Obras do novo complexo do Hospital de Clínicas ultrapassam 50%

Patrícia Comunello
Do piso onde será o heliponto do anexo 1 do novo complexo do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, o prédio principal, erguido há quase 50 anos, parece muito menor. Uma possível explicação para isso é que as obras físicas, que atingiram pouco mais de 50% da execução dos dois novos anexos, roubam a cena na paisagem pelo movimento intenso do sobe e desce de elevadores de carga e trabalhadores instalando materiais. O empreendimento também é gigante em detalhes, peculiaridades e evolução da montagem, o que também reforça a supremacia sobre o mais antigo. O complexo deve ser concluído em dezembro de 2018, com operação plena em 2019, segundo a direção.
No primeiro tour da imprensa pelas obras, a direção do hospital confirmou nesta quinta-feira o plano de concluir em dois anos. A meta inicial era no fim de 2017. O cronograma sofreu atraso, explica o presidente do Clínicas, Amarilio Vieira Macedo Neto, devido ao impasse na transferência de árvores que estavam no terreno, que durou seis meses, e o ritmo de liberação de recursos pela União. O projeto começou a tramitar em 2009. Neto diz que a obra consumiu até agora R$ 220 milhões e que faltam entre R$ 260 milhões e R$ 270 milhões. Estes valores já embutem atualização prevista no contrato. Os recursos são da União.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia