Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 16h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

e-commerce

Alterada em 28/11 às 17h53min

Vendas online na Black Friday crescem 17%, diz Ebit

O comércio eletrônico conseguiu faturar 17% mais nesta Black Friday ante o mesmo período do ano passado, segundo levantamento da Ebit, empresa especializada no setor. Com o crescimento, as lojas online faturaram este ano R$ 1,9 bilhão no período de promoções.
O resultado foi impulsionado por um crescimento das vendas por celular ou tablet, que representaram quase uma a cada cinco compras no e-commerce no período. Foram 19,8% das compras por aplicativos móveis nesta Black Friday, ante um patamar de 8,7% em 2015 e de 6,8% em 2014.
O número de pedidos cresceu 4%, para 2,92 milhões, enquanto o tíquete médio foi de R$ 653, 13% maior do que no ano passado. O levantamento leva em conta as compras feitas entre 0h e 23h59 de sexta-feira, 25.
Somado ao faturamento das quatro horas de quinta-feira, 24, quando as principais redes de e-commerce iniciaram suas promoções, o faturamento foi de R$ 2,06 bilhões. A previsão da Ebit era de faturamento de R$ 2,1 bilhões para a edição de 2016.
A alta no tíquete médio deve-se principalmente à maior participação de itens de maior valor agregado. A avaliação da Ebit é de que a crise econômica acabou ajudando a atrair novos consumidores, que antes compravam produtos de maior valor agregado somente no varejo físico.
Eletrodomésticos e aparelhos de telefonia lideraram o ranking dos itens mais pedidos na Black Friday e também representaram a liderança no volume financeiro gerado com o evento. Em quantidade de pedidos, o ranking tem ainda a categoria de moda e acessórios, eletrônicos e informática.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia