Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 16h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

Alterada em 28/11 às 17h52min

Segundo Itamaraty, Mercosul ainda discute sanções à Venezuela

O diretor do departamento do Mercosul no Itamaraty, Otávio Brandelli, disse nesta segunda-feira que as sanções a serem aplicadas contra a Venezuela, cuja suspensão do bloco comercial deve ser confirmada no fim desta semana, ainda estão sendo discutidas pelos países-membros. Sobre as declarações vindas do governo uruguaio de que a Venezuela perderá os diretos de voz e voto no bloco, o diplomata ponderou que esse é um tema ainda em aberto.
O prazo de adaptação às normas do protocolo de adesão, dado a Caracas em setembro, vence na quinta-feira, mas o governo de Nicolás Maduro já adiantou que não vai incorporar todas as resoluções à legislação local. Com isso, a Venezuela será suspensa do Mercosul, mas continuará sendo membro do bloco econômico.
Durante participação em debate promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Brandelli destacou que o bloco ainda não bateu o martelo sobre quais direitos serão suspensos e quais serão mantidos. "Isso está em discussão e até a semana que vem deveremos ter um quadro mais ou menos claro se serão suspensos todos os direitos ou se alguns direitos serão preservados", afirmou o funcionário do Ministério das Relações Exteriores.
Segundo ele, há divergência entre os fundadores da união aduaneira em torno do assunto. O Uruguai, diferentemente de outros parceiros, defende que a Venezuela continue tendo direito de voz. O diplomata informou ainda que não há consenso se o país deve manter direito de voto, participar de reuniões ou indicar candidatos a cargos do Mercosul.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia