Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 16h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

habitação

Alterada em 28/11 às 17h12min

Financiamento imobiliário cai 22,4% e atinge 3,6 bilhões em outubro, diz Abecip

Os financiamentos para aquisição e construção de imóveis no País atingiram R$ 3,6 bilhões em outubro de 2016, queda de 22,4% em comparação com o mesmo mês de 2015, influenciado pelo ambiente de crise. Já na comparação com setembro deste ano, o montante representa alta de 15,6%, pois diversas agências ficaram fechadas no mês anterior devido à greve bancária.
Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (28) pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) e levam em conta apenas os financiamentos concedidos pelos agentes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).
Entre janeiro e outubro, os financiamentos somaram R$ 37,2 bilhões, montante 44,2% menor que o registrado em igual período do ano passado. No acumulado de 12 meses, foram destinados R$ 46,1 bilhões, retração de 46,6% em relação ao montante apurado nos 12 meses precedentes.
Em outubro, 16,1 mil imóveis foram financiados, volume 21,3% menor do que no mesmo mês do ano passado e 31,3% maior do que em setembro.
Entre janeiro e outubro 2016, foram financiados 164,1 mil imóveis, recuo de 45,6% em relação a igual período de 2015. No acumulado de 12 meses, o crédito viabilizou 204,1 mil imóveis, redução de 48%.
Em outubro, os saques nas cadernetas de poupança mais uma vez superaram os depósitos, com perda líquida de R$ 1,77 bilhão.
Entre janeiro e outubro de 2016, a captação líquida foi negativa em R$ 42,8 bilhões, valor mais brando do que no mesmo período de 2015, quando a perda de recursos chegou a R$ 54 bilhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia