Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de novembro de 2016. Atualizado às 02h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Urbanismo

Notícia da edição impressa de 09/11/2016. Alterada em 08/11 às 21h20min

Fortunati homologa viabilidade urbanística do Cais Mauá

Após ato na prefeitura, próximo passo é a liberação da licença prévia

Após ato na prefeitura, próximo passo é a liberação da licença prévia


RICARDO GIUSTI/PMPA/JC
O prefeito José Fortunati homologou ontem o Estudo de Viabilidade Urbanística (EVU) das obras de revitalização do Cais Mauá. A documentação, com informações sobre impacto ambiental e mobilidade urbana, foi aprovada pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano e Ambiental com ampla maioria: 24 votos favoráveis, dois contra e uma abstenção. Os próximos passos para o início do empreendimento são a liberação da licença prévia e a aprovação do projeto.
Participaram do ato o coordenador-geral do Gabinete de Desenvolvimento e Assuntos Especiais (Gades), Edemar Tutikian, o secretário municipal de Urbanismo, José Luiz Fernandes Cogo, e o adjunto do Gades, Glênio Bohrer. Encaminhado à prefeitura pela Cais Mauá do Brasil em dezembro do ano passado, o EVU foi apreciado pela Comissão de Análise Urbanística e Gerenciamento (Cauge) ainda em março, quando o órgão pediu mais de 40 alterações ou esclarecimentos, de forma a garantir que as legislações ambiental e urbanística sejam respeitadas.
A construção, manutenção e restauração do local compreendem os 16 armazéns, localizados entre a estação rodoviária e a Usina do Gasômetro. Os prédios terão bares, restaurantes, lojas, estabelecimentos culturais e prédios comerciais. O investimento na primeira fase de obras será de R$ 150 milhões. A segunda etapa custará R$ 750 milhões. A Cais Mauá do Brasil irá administrar a área por 25 anos, mas o contrato poderá ser renovado por igual período.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia