Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de outubro de 2016. Atualizado às 09h03.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2016

Notícia da edição impressa de 31/10/2016. Alterada em 31/10 às 10h05min

Guerra é o novo prefeito de Caxias

Daniel Guerra (c) foi secretário municipal de Turismo de Sartori

Daniel Guerra (c) foi secretário municipal de Turismo de Sartori


PRB/DIVULGAÇÃO/JC
Roberto Hunoff, de Caxias do Sul
Vereador em segundo mandato, Daniel Guerra, do PRB, venceu as eleições para a prefeitura de Caxias do Sul. À frente de uma coligação formada ainda pelo PR e PEN, o candidato somou 148.501 votos, representando 62,79% dos válidos. Na comparação com o resultado do primeiro turno, ampliou a votação em quase 80 mil votos. Edson Néspolo, do PDT, que liderou coligação de 21 partidos, obteve 87.996 votos, equivalente a 37,21% dos válidos. O número foi em torno de 15 mil abaixo do registrado no primeiro turno, o qual venceu com 43,24% dos votos. Ainda houve 8.305 brancos e 17.720 nulos. Caxias do Sul tem 293.417 eleitores, dos quais 10,73%, equivalente a 31.495, não compareceram.
Guerra, que foi secretário de Turismo no primeiro governo de José Ivo Sartori (PMDB), apresentou-se como a mudança para a cidade, que há 12 anos tinha o mesmo grupo no comando. Alceu Barbosa Velho (PDT), atual prefeito, foi vice de Sartori.
O prefeito eleito pautou sua campanha com críticas ao novo sistema de transporte coletivo da cidade, chamado SIM Caxias; ao excesso de cargos de confiança na prefeitura; à falta de ações na saúde, com destaque ao fato de a administração não ter aberto a UPA; e à segurança. Guerra também criticou a aliança, afirmando que o objetivo da mesma era de administrar em favor dos 21 partidos e não da população. "Minha gestão será para a população, e não para os partidos", ressaltou Guerra durante toda a sua campanha.
Em sua primeira manifestação, já com 75% dos votos apurados e matematicamente eleito, Guerra afirmou que a população de Caxias do Sul deu um recado ao Brasil, de que cansou da política tradicional, feita para beneficiar partidos, e não os cidadãos. Afirmou que a comunidade escolheu um gestor para administrar a cidade, que aja com seriedade e responsabilidade para a escolha das prioridades ao longo de todo o mandato, e não apenas em anos eleitorais. Como primeiras medidas, anunciou o fim do que chamou de penduricalhos e o corte de 145 cargos de confiança. Juntamente com outras medidas, pretende economizar R$ 20 milhões para garantir, de imediato, a abertura da UPA 24 Horas.
A festa da vitória teve início na Igreja de São Pelegrino, onde Guerra participava de uma missa. Em caminhada, o grupo seguiu em direção à Praça Dante Alighieri e, na sequência, até a prefeitura, onde ocorreram discursos e um abraço ao prédio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia