Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de outubro de 2016. Atualizado às 10h18.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2016

Notícia da edição impressa de 31/10/2016. Alterada em 31/10 às 11h19min

Marchezan é o prefeito mais jovem

Tucano toma posse em janeiro de 2017 com 45 anos e 1 mês de vida

Tucano toma posse em janeiro de 2017 com 45 anos e 1 mês de vida


Guilherme Kolling
Nelson Marchezan Júnior (PSDB) é o prefeito eleito de Porto Alegre mais jovem da história desde a redemocratização. O tucano, que está com 44 de idade, assumirá o Paço Municipal aos 45 anos e 1 mês, em 1 janeiro de 2017.
Quem mais se aproxima da marca é Tarso Genro (PT), que se tornou chefe do Executivo da Capital, pela primeira vez, em 1993, quando tinha 45 anos e 9 meses. Na sequência, estão Olívio Dutra (PT), Raul Pont (PT), José Fortunati (PDT), José Fogaça (então PPS, hoje PMDB) e Alceu Collares (PDT). O mais velho, nessas três décadas, é João Verle (PT), que era vice-prefeito e assumiu o Executivo aos 62 anos, com a renúncia de Tarso.
Treze anos mais jovem que Sebastião Melo (PMDB) - seu adversário no segundo turno desta eleição -, Marchezan usou e abusou da palavra "novo" em sua campanha. Não só pela idade. Falou em um novo jeito de fazer política, em um novo tempo para Porto Alegre e prometeu uma nova gestão, embora o PSDB tenha integrado a administração municipal nas gestões de José Fogaça (PMDB, 2005-2010) e José Fortunati (PDT, 2010-2016).
Marchezan já havia disputado a prefeitura de Porto Alegre em 2008, quando ficou na sexta colocação. Neste ano, sua candidatura foi uma das últimas a serem confirmadas - ficou na espera de aliados para ter tempo de televisão na propaganda, o que daria competitividade à sua campanha.
Conseguiu o apoio do PP, que estava dividido entre apoiar Melo - já que o partido integra o governo - ou aderir a Marchezan. Prevaleceu o apoio ao tucano, que se tornou a maior surpresa do primeiro turno. Aparecia em terceiro lugar nas pesquisas, mas foi o primeiro candidato de oposição a vencer o primeiro turno de uma eleição à prefeitura de Porto Alegre. No segundo turno, confirmou o favoritismo e venceu o pleito.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/png/2016/10/31/206x137/1_marc-1364283.png', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5816a92590982', 'cd_midia':1364283, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/png/2016/10/31/marc-1364283.png', 'ds_midia': 'Candidatos', 'ds_midia_credi': 'JC', 'ds_midia_titlo': 'Candidatos', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '695', 'align': 'Left'}
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia