Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de outubro de 2016. Atualizado às 08h13.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

ARTIGO

Notícia da edição impressa de 31/10/2016. Alterada em 31/10 às 00h35min

Quem tem medo do lobo mau?

Fábio Berwanger Juliano
O discurso de grande parcela da população brasileira não é coerente com seus próprios anseios quando falamos de trânsito. Queremos a civilidade escandinava, mas as punições devem seguir o velho jeitinho brasileiro. São tantas, mas tantas objeções feitas, que fica difícil enumerá-las: o agente não é competente; não preciso fazer prova contra mim mesmo; não tinha placa me avisando que não posso andar a 120 km/h na cidade; e mais um infinito rol de desculpas, quer dizer, direitos, que são vigentes somente em nosso País. A mesma câmera e controlador eletrônico (sempre instalados com critérios técnicos) são vistos como inimigos quando multam o "cidadão de bem", aquele mesmo, o que sonha com a Suécia, mas trafega no corredor de ônibus e ajuda a propagar o jargão clássico do sueco, quer dizer, do brasileiro, a indústria da multa.
A tal indústria é o que devemos nos preocupar, o verdadeiro inimigo do povo? Quando multas aplicadas com toda a tecnologia existente hoje em dia e que não deixam qualquer dúvida do seu cometimento passam a ser questionadas de forma tão radical por parcela significativa da população, mostramos o que verdadeiramente pensamos sobre trânsito no Brasil. Enquanto nossos problemas e preocupações forem o "pardal", os radares e as Jari e não os que falam ao celular, bebem e ultrapassam em local proibido na condução de um veículo automotor, não combateremos devidamente o real problema. Para matarmos um mosquito unimos um País de forma emocionante, para retirar a CNH de quem bebe e dirige precisamos ir ao STF e contarmos com muita sorte.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia