Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de outubro de 2016. Atualizado às 01h26.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 10/10/2016. Alterada em 09/10 às 20h39min

Frases e personagens

Tradicionalmente, o mês de outubro representa uma elevação expressiva nas vendas do comércio varejista. Embora ainda estejamos vivendo uma crise econômica que impacta de maneira muito forte o orçamento das famílias brasileiras, já observamos sinais de reação em alguns segmentos, e a expectativa é de que o Dia das Crianças já concretize este alento para o varejo gaúcho." Vitor Augusto Koch, presidente da FCDL-RS.
"Em relação ao que se prevê como opções de compras dos pais para os pequenos, a FCDL-RS acredita que os presentes deverão ter menos tecnologia e menor vinculação com grifes famosas de heróis infantis, em virtude da necessidade de o consumidor encontrar preços mais atrativos. Calcula-se um volume de vendas semelhante ao de 2015, mas com um tíquete médio um pouco menor, na casa dos R$ 90,00." Também Vitor Augusto Koch.
"Os países emergentes estão se beneficiando de um cenário benigno no exterior, marcado por juros muito baixos ou mesmo negativos. É um ambiente propício para o Brasil fazer o ajuste na economia." Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central, em Washington (EUA).
"No Brasil, este é o exato momento para prosseguir com o ajuste. O País enfrenta uma das piores recessões de sua história e uma inflação que bateu, no ano passado, em 11%. Ainda temos um desafio de trazer a inflação para o centro da meta." Também Ilan Goldfajn.
"O momento não é apropriado para a concessão de reajuste salarial a ministros do Poder Judiciário. Projeto no Senado prevê um reajuste de 16,3% nos vencimentos dos ministros do STF, dos atuais R$ 33.763,00 para R$ 39.293,32, em janeiro de 2017. Penso como a ministra Cármen Lúcia, presidente do STF." Laurita Vaz, presidente do Superior Tribunal de Justiça.
"O reajuste dos ministros do STF provoca um efeito cascata em todo o País, atingindo inclusive a remuneração de ministros dos tribunais superiores - STJ, Tribunal Superior do Trabalho (TST), Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e Superior Tribunal Militar (STM) -, que têm salário equivalente a 95% dos seus colegas do STF, conforme prevê a Constituição Federal." Também Laurita Vaz.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia