Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de outubro de 2016. Atualizado às 16h28.

Jornal do Comércio

Seguros & Previdência 2016

COMENTAR | CORRIGIR

Qualificação

Notícia da edição impressa de 31/10/2016. Alterada em 31/10 às 17h31min

Profissionais de olho em diferentes mercados

Estar atento e conhecer o comportamento da economia, a renda do consumidor e suas necessidades de proteção são características que diferenciam, hoje, os bons corretores no mercado de trabalho de seguro e previdência. De acordo com Jane Mansur, coordenadora da Fundação Escola Nacional de Seguros (Funenseg) no Rio Grande do Sul, a diversidade do mercado atual é um desafio e uma oportunidade para os profissionais. "Possuímos clientes de várias gerações, desde os baby boomers, geração X, a Y e agora a Z. Do mais conservador ao mais arrojado tecnologicamente", diz Jane.
Ao mesmo tempo em que destaca a importância de manusear e ter intimidade com novas ferramentas de trabalho, a executiva alerta que os corretores não podem se afastar do básico, a sensibilidade para individualizar as situações. "O dia 29 de janeiro para Porto Alegre foi o dia D. O vendaval que passou em Porto Alegre, com ventos de 119 km/h, trouxe, com inúmeros sinistros, o aumento de uma sensibilização do consumidor e para o próprio mercado. Quais riscos estavam cobertos? Havia coberturas de responsabilidades? Foram dias de questionamentos para corretores, seguradoras e segurados", explica Jane.
"Somos sempre um setor que sofre por último quando a crise chega e reage primeiro quando a economia retoma. Crescemos 12,1% em 2014, 11,6% em 2015. As perspectivas são de fecharmos 2016 com crescimento de 8 a 10%", diz André Thozeski, diretor de Marketing do Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado do Rio Grande do Sul(Sincor-RS). Ele sugere que, no lugar de se retrair, o profissional se adeque ao momento, ofertando também seguros mais simples a um consumidor que não pode comprar tudo que deseja.

Prepare-se para vender previdência e saúde juntos

Além do seguro auto popular como boa alternativa de negócios aos corretores em período de vendas em queda, André Thozeski, diretor do Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado do Rio Grande do Sul (Sincor-RS), destaca que outra inovação no mercado será na Previdência Privada com Seguro Saúde, batizada de "PreviSaúde". A ideia é simples: ao longo da vida economicamente ativa, quando ainda jovem e saudável, o cidadão vai investindo num plano de previdência privada específico para bancar o seguro-saúde privado na terceira idade, quando a renda cai, as doenças aparecem e os custos com um seguro saúde são maiores.
"Como isso, ele vai desonerar o Estado. A contrapartida será um incentivo fiscal (ou no Imposto de Renda a pagar enquanto poupando ou em forma de isenção sobre os saques lá adiante). Este produto, como depende da parceria do Estado, depende de previsão legal, está com as negociações em andamento e um projeto de lei tramitando na Câmara", alerta o diretor do Sincor.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia