Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de outubro de 2016. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

logo
COMENTAR | CORRIGIR

Novo Tempo IndústriaMetalúrgica

Notícia da edição impressa de 06/10/2016. Alterada em 05/10 às 21h57min

Tampa lacre para sistema de infusão

Empresa vai investir em novos equipamentos para fazer a tampa, diz Macedo

Empresa vai investir em novos equipamentos para fazer a tampa, diz Macedo


NOVO TEMPO /DIVULGAÇÃO/JC
Se o mercado necessita de um determinado produto, por que não produzi-lo? Foi partindo dessa lógica que a Novo Tempo Indústria Metalúrgica acabou entrando em um mercado até pouco tempo atrás impensável para uma companhia do seu gênero: o de produtos para a área da saúde. O mais recente a sair do papel é a tampa lacre perfurante e cicatrizante de corpo único, voltada para sistemas de infusão. O produto deverá competir com os itens produzidos no exterior, atualmente importados de países como Itália e Dinamarca.
A tampa será fabricada em uma única etapa de produção e está formada por um material de corpo único, com uma região rígida para acoplamento no sistema de infusão e uma região com propriedades cicatrizantes para a utilização de agulhas. O produto procura se diferenciar dos concorrentes ao dispensar as etapas de montagem e acabamento, não requerendo manipulação e eliminando o risco de contaminação por parte dos técnicos e enfermeiros.
O diretor da metalúrgica João Luiz Macedo diz que a família foi decisiva para a empresa ingressar no nicho de fabricação de soluções para a área médica. Isso porque um sobrinho seu é médico e, a partir de conversas, Macedo detectou que havia demanda por uma tampa como esta. "Um dia, perguntei para ele de onde vinha o produto e fiquei sabendo que não havia fábrica no Brasil. Em seguida, me coloquei em contato com um laboratório parceiro e resolvemos fazê-lo", lembra.
A companhia pretende fabricar 10 mil unidades do material, assim que os testes laboratoriais forem concluídos. A partir daí, deverá comprar equipamentos para fabricar o produto em maior escala. "Pretendemos investir de R$ 7,5 milhões a R$ 9 milhões, para nos estruturarmos", planeja Macedo. A criação da tampa é apenas uma das iniciativas da metalúrgica no setor médico. O dirigente destaca que já existem outros seis projetos engatilhados de soluções dedicadas ao segmento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia