Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de novembro de 2016. Atualizado às 16h29.

Jornal do Comércio

logo
COMENTAR | CORRIGIR

PARCEIROS

Notícia da edição impressa de 06/10/2016. Alterada em 16/11 às 17h32min

Rede de empresas reforça sustentabilidade do programa

Silva observa que a inovação é um fator muito importante para o sucesso de qualquer negócio atualmente

Silva observa que a inovação é um fator muito importante para o sucesso de qualquer negócio atualmente


LUIZ MUNHOZ/DIVULGAÇÃO/JC
As empresas que participam do Programa de Apoio à Inovação de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte no Estado do Rio Grande do Sul (Tecnova RS) contam com apoio e acompanhamento dos seus projetos de inovação, incluindo diagnósticos e qualificação. Para tanto, a iniciativa conta com a participação ativa da uma rede parceiros entre os quais a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Badesul, Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e a Rede Gaúcha de Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos (Reginp).
O gerente do Departamento do Programa Descentralizado da Finep, Marcelo Camargo, salienta que essas iniciativas são vitais, porque "os projetos de inovação, que são projetos de alto risco, não conseguem ser concretizados sem aporte do governo". Ele afirma que o Tecnova tem um caráter inovador, porque envolve dois instrumentos jurídicos diferentes: convênio com as empresas e convênios com as fundações de pesquisa. Camargo diz que a sinergia entre os parceiros do programa é fundamental para o alcance dos resultados e acredita que, com o desempenho verificado, haverá uma segunda edição do programa, porque "inovação exige continuidade".
O diretor-superintendente do Sistema Fiergs/Ciergs e superintendente do IEL-RS, Carlos Heitor Zuanazzi, afirma que o Tecnova RS contribui para o aumento da competitividade de empresas industriais por meio da inovação, que é uma das estratégias do instituto. "O programa foi muito importante para o crescimento de pequenos negócios, fornecendo o conhecimento e apoio necessários para as pequenas empresas gerarem novos produtos e se colocarem no mercado." Zuanazzi acrescenta que iniciativas que promovem a inovação devem ser reconhecidas por sua capacidade de gerar valor. "Quando a atividade industrial incorpora maior complexidade em seus produtos, ela aumenta a sua contribuição com o desenvolvimento do nosso Estado", observa.
O presidente da Reginp, Márcio Machado da Silva, reforça que a inovação tem sido fator muito importante para o sucesso de qualquer empresa, sobretudo em um mercado cada vez mais globalizado e acessível a todos. "Hoje em dia, com o apoio das tecnologias da informação e da comunicação, as micro e pequenas empresas têm mais acesso a informações, tecnologias e até mesmo a mercados, estimulando a pesquisa, o desenvolvimento e a inovação." Também diretor de Inovação da Ulbra, ele lembra que as incubadoras têm papel fundamental neste cenário, pois disponibilizam para as empresas a estrutura para pesquisa composta de laboratórios e pesquisadores de diversos níveis.
O superintendente de Inovação e Sustentabilidade do Badesul, Elias Graziottin Rigon, lembra que "a Fapergs sempre teve experiência em fiscalizar projetos de pesquisa e o Badesul, de fiscalizar projetos de empresas. Como o Tecnova é um programa de subvenção econômica para empresa, fez todo o sentido juntar as duas instituições". O banco auxilia no acompanhamento da utilização do recurso pelas empresas e, segundo ele, "pelo que temos visto, há ideias muito interessantes sendo desenvolvidas e que têm aplicação de mercado nítida. Os recursos foram bem pulverizados e terão impacto extraordinário na vida destas empresas".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia