Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de janeiro de 2017. Atualizado às 07h48.

Jornal do Comércio

logo
COMENTAR | CORRIGIR

Tecnova RS

Notícia da edição impressa de 06/10/2016. Alterada em 20/12 às 19h49min

Tecnova RS: elevado grau de execução de recursos

Conforme Elisabete, há uma demanda por recursos de subvenção para projetos inovadores

Conforme Elisabete, há uma demanda por recursos de subvenção para projetos inovadores


TECNOVA RS/DIVULGAÇÃO/JC
A veia inovadora latente em muitas micro e pequenas empresas do Rio Grande do Sul encontrou no Programa de Apoio à Inovação de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte no Estado do Rio Grande do Sul (Tecnova RS) o respaldo necessário para transformar seus projetos em realidade, com impacto positivo não apenas em seus negócios, mas também na sociedade. Desta forma, o mercado já ganhou ou prepara-se para receber novidades, tais como o mobiliário 100% "editável" pelo cliente, a tomada inteligente que monitora o consumo de energia, o sistema universal para conexão de equipamentos hidráulicos ou os snacks de vegetais desidratados. São exemplos dos cases bem-sucedidos da primeira edição do programa de incentivo e fomento ao desenvolvimento de produtos, serviços ou processos inovadores. O êxito de alguns deles já está até comprovado com premiações por sua capacidade inovadora, como a GMK, que conquistou o Prêmio Lançamentos Fimec na categoria Máquinas para Calçados; e a Movelaria On Line, que foi a vencedora do prêmio eAwardsBraspag 2016, na categoria Melhor e-commerce em inovação.
O Tecnova RS não é apenas um mecanismo de suporte financeiro, mas faz parte de um amplo programa de âmbito nacional, com ações regionalizadas que visam contribuir para a inovação no País, trabalhando com foco diferenciado em cada região. Além dos repasses de recursos, as empresas contam com apoio técnico e acompanhamento dos seus projetos de inovação, incluindo diagnósticos e qualificação. O programa foi estruturado com uma rede de parceiros para que, ao final de dois anos - prazo do edital, que se encerra agora em outubro -, as empresas já tenham alcançado o grau de maturação necessário em seus projetos e tenham condições de seguir em frente com seus empreendimentos.
A gerente administrativa do Tecnova na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapergs), Elisabete Haase Mollmann, informa que, além dos R$ 23 milhões que foram aplicados no primeiro edital, seriam necessários pelo menos mais R$ 13 milhões para fazer frente à demanda excedente, ou seja, empresas que foram avaliadas com mérito, mas acabaram não sendo habilitadas ao programa. "Existe uma demanda por recursos de subvenção para projetos inovadores", acrescenta. Por isso, a expectativa é de que seja lançada a segunda edição do Tecnova RS respaldada, principalmente, pelo alto grau de execução do recurso, o que tornou a iniciativa referência no País. Segundo Elisabete, ao final da primeira edição, 85% dos recursos já estarão executados. Além disso, oito empresas pediram prorrogação dos contratos para poderem finalizar seus projetos com êxito.
Entre outras razões, essa performance deve-se ao acompanhamento muito próximo dos especialistas que as empresas receberam ao longo desses dois anos. Também, pela primeira vez, houve o repasse de recursos para pessoa jurídica, o que resultou em aprendizado e qualificação para a própria Fapergs, que se adaptou para atender ao novo perfil de cliente. A gerente administrativa do Tecnova relata que uma equipe de cerca de 50 pessoas esteve envolvida para dar sustentação às propostas inovadoras apresentadas pelas micro e pequenas empresas, entre as quais em torno de 30 especialistas nas áreas contempladas pelo programa. Nesse aspecto, a expertise do corpo técnico da Fapergs favoreceu o andamento dos trabalhos.
O Tecnova RS fomentou a pesquisa e a inovação em oito cadeias de negócios: Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC); petróleo e gás; energias alternativas; saúde avançada e medicamentos; calçados e artefatos; indústria moveleira; e nos setores metalmecânico-automotivo e agroindustrial. Baseado na Lei da Inovação, o programa faz parte das políticas de governo criadas para promover a competitividade das empresas nacionais, apoiando projetos de inovação que envolvam risco tecnológico associado a oportunidades de mercado. Por isso foi direcionado para setores econômicos considerados estratégicos nas políticas públicas de desenvolvimento nacional e regional. Desse grupo, três integram a chamada Área Temática Nacional - tecnologia da informação e comunicação, energias alternativas e petróleo e gás.

Empresas por segmento

  • Agroindustrial: 10
  • Calçados e artefatos: 02
  • Indústria moveleira: 01
  • Energias alternativas: 02
  • Metalmecânico-automotivo: 04
  • Petróleo e gás: 08
  • Saúde avançada e medicamentos: 10
  • TIC: 07

Empresas por municípios

  • Porto Alegre: 20
  • Caxias do Sul: 05
  • São Leopoldo: 04
  • Pelotas: 03
  • Novo Hamburgo: 03
  • Bento Gonçalves: 02
  • Santa Maria: 02
  • Cachoeirinha: 01
  • Canoas: 01
  • Igrejinha: 01
  • Lajeado: 01
  • Selbach: 01
  • Garibaldi: 01
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Rodrigo Campos Dilelio 16/01/2017 23h06min
Pessoal como é possível saber mais informações sobre as empresas selecionadas? Qual o resultado dessas pesquisas no desempenho da sua operação no respectivo mercado?n