Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de outubro de 2016. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

logo
COMENTAR | CORRIGIR

Tecnano Pesquisas e Serviços Ltda.

Notícia da edição impressa de 06/10/2016. Alterada em 05/10 às 20h39min

Nanotecnologia voltada à agricultura

Pereira ressalta que parceria foi essencial no desenvolvimento da tecnologia

Pereira ressalta que parceria foi essencial no desenvolvimento da tecnologia


TECNANO/DIVULGAÇÃO/JC
Empresa de base tecnológica, a Tecnano Pesquisas e Serviços Ltda. tem sido pioneira na aplicação inovadora da nanotecnologia para a agricultura. Tudo começou em 2009 com o projeto Primeira Empresa Inovadora - Prime/Finep. Na época, foi feito um treinamento de nanotecnologia na Alemanha, onde eram produzidos os primeiros produtos nessa área. Até hoje, poucos países desenvolveram essa tecnologia para produção de nanofibras, nanoemulsões ou nanocápsulas com agroquímicos e testados em instituições de pesquisa parceiras.
Entre os produtos produzidos nesses estudos estão tratamentos de sementes (incluindo fungicida e inseticidas encapsulados), inoculantes bacterianos (bactérias benéfica às plantas) e feromônios (moléculas de comunicação entre insetos). A empresa, em pesquisa com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), foi a primeira a produzir inoculantes bacterianos na forma de nanofibras, aplicar em sementes e testar seu resultado na raiz de plantas. O trabalho saiu no "Canadian Journal of Microbiology", em 2013. As nanofibras são aplicadas eletrostaticamente e avaliadas por microscopia eletrônica.
A partir dos resultados de laboratório, foi decidido desenvolver a tecnologia em escala piloto industrial, e o sócio-fundador Cláudio Eduardo Farias Nunes Pereira afirma que o Tecnova foi essencial nessa fase. O contrato com uma fabricante de tintas se deu no meio do projeto e, através do Tecnova, houve construção de protótipos e testes. "O desenvolvimento tecnológico é de ponta e tem potencial para o mercado", afirma Pereira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia