Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de outubro de 2016. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

logo
COMENTAR | CORRIGIR

Plasmar IndústriaMetalúrgica Ltda.

Notícia da edição impressa de 06/10/2016. Alterada em 05/10 às 21h15min

Segmento de autopeças ganha tecnologia inédita

Uma oportunidade de mercado e de avanço tecnológico foi o ponto de partida para a Plasmar Indústria Metalúrgica Ltda. projetar o desenvolvimento de um equipamento de plasma altamente tecnológico para tratamento de superfícies. Coordenador do projeto, o professor Carlos Figueroa explica que os revestimentos de carbono amorfo tipo diamante (DLC) possuem um atrito muito baixo e podem viabilizar a eficiência energética em motores de combustão interna e em dispositivos eletromecânicos.
Como o Programa InovarAuto, do governo federal, beneficia com isenções tributárias as montadoras que aumentarem a eficiência de automóveis, e sabendo que 30% das perdas energéticas em motores são originadas pelas forças de atrito presentes quando as autopeças estão em movimento, a empresa aproveitou sua expertise para desenvolver uma tecnologia de baixo custo para aplicar DLC em autopeças e, assim, elevar a eficiência energética.
O professor diz que já existe tecnologia para revestimentos DLC, mas está disponível a preços que o mercado não aceita e que inviabilizam as aplicações em grande escala. O projeto apresentado dentro do programa Tecnova RS visa à construção de um reator a plasma para revestimentos DLC com custo final de 10% do valor atual.
A Plasmar tinha uma patente inédita no mundo para revestimentos DLC mediante uma tecnologia batizada de confinamento eletrostático, entretanto não tinha os recursos para executá-la, o que agora é possível com a parceria do Tecnova. O equipamento está em fase final de montagem e testes de plasma e, segundo Figueroa, em dois meses, surgirão os primeiros revestimentos DLC aplicados em peças reais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia