Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de setembro de 2016. Atualizado às 00h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

Notícia da edição impressa de 13/09/2016. Alterada em 12/09 às 21h12min

Arrozeiros pressionam contra PL de tributação

Dornelles afirma que lei desconstitui o senso de cadeia produtiva

Dornelles afirma que lei desconstitui o senso de cadeia produtiva


FREDY VIEIRA/JC
A Assembleia Legislativa gaúcha deve votar hoje o veto do governador José Ivo Sartori ao Projeto de Lei (PL) nº 181/2013, que trata do diferimento de ICMS na produção de arroz. A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) é contra a proposta e está mobilizando o setor para acompanhar a votação no Legislativo gaúcho.
Conforme o presidente da entidade, Henrique Dornelles, os produtores já se mobilizaram e visitaram parlamentares e líderes de bancada com o pedido de manutenção do veto do Executivo à lei. "A proposta desta lei vem em um momento inoportuno na medida em que o governo, indústrias e produtores já haviam acertado a questão da legislação e tributação da produção", enfatiza.
Dornelles afirma que a Federarroz está preocupada com os desdobramentos que virão a partir da aprovação desta lei caso o veto do governador não seja mantido. Reforça que a cadeia produtiva está fechada para a manutenção do veto do governador. "Apesar de a lei não ser explícita dos riscos que o setor corre, nós temos clareza destes desdobramentos. É muito importante a presença das lideranças arrozeiras nesta terça-feira na Assembleia", ressalta.
O presidente da Federarroz afirma ainda que a entidade defende um equilíbrio das ações e um movimento de clareza e transparência entre os setores envolvidos na cadeia produtiva. "Esta lei desconstitui todo o senso de cadeia produtiva na medida em que o interesse de poucos prevalece sobre o senso comum", salienta.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia