Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de setembro de 2016. Atualizado às 20h28.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

em cena

Notícia da edição impressa de 23/09/2016. Alterada em 23/09 às 20h30min

Atriz Debora Bloch celebra 35 anos de carreira no palco

Espetáculo Os Realistas integra a programação do festival Porto Alegre em Cena

Espetáculo Os Realistas integra a programação do festival Porto Alegre em Cena


Reprodução Facebook/JC
Michele Rolim
A atriz e produtora Debora Bloch escolheu o texto Os realistas, do escritor norte-americano Will Eno, para comemorar seus 35 anos de carreira. No palco, ela está acompanhada de Emílio de Mello, Fernando Eiras e Mariana Lima. Eles vivem dois casais que possuem diversas coisas em comum. A direção é de Guilherme Weber.
Em entrevista ao Jornal do Comércio, Debora, aos 52 anos, fala sobre o espetáculo e a carreira. A peça tem apresentações sexta-feira e sábado, às 21h, e domingo, às 18h, no Theatro São Pedro (Praça Mal. Deodoro, s/nº). Ainda há ingressos disponíveis por R$ 80,00 e R$ 40,00 (promocional) - uma hora antes de cada sessão.
JC - Viver: Por que você escolheu encenar essa peça?
Debora Bloch: O que me atraiu foi o texto, com muito humor e diálogos brilhantes. Uma peça divertida e ao mesmo tempo sensível e delicada. Que fala da vida e da morte, do ordinário e do extraordinário. Que fala de assuntos universais, comuns a todo ser humano, o amor, o casamento, a morte. Além disso, o texto é uma partitura para quatro atores executarem suas personagens com profundidade e humor.
Viver: Como é fazer um drama depois de anos atuando em Fica comigo esta noite, 5 X Comédia, Duas Mulheres e um cadáver, Brincando em cima daquilo, ou seja, em comédias? Os realistas foge um pouco deste padrão, não?
Debora: Mas eu também fiz Tio Vania, de Tchekov, e Kean, de Sartre... Acho que Os Realistas é a continuação de uma busca minha por novos caminhos e experiências artísticas.
Viver: Você completou 35 anos de carreira quando estreou esta peça. Que balanço faz desse tempo?
Debora: É muito tempo... Teria que fazer vários balanços (risos). Mas acho que busquei caminhos que me renovassem. Como diz a Fernanda Montenegro, os primeiros 20 anos são moleza (mais risos). Tudo é novidade. Depois, você tem que se renovar, experimentar novos caminhos, para não se repetir, se reinventar. Acho que busquei me reinventar e continuo buscando.
Viver: Há algum trabalho que seja um destaque para você nesses anos de estrada?
Debora: Acho que a peça Os realistas e a série Justiça são trabalhos que eu destacaria, porque são resultado de uma busca artística que se realiza com eles. Gosto do último trabalho e do próximo!
Viver: Sendo mulher, é difícil envelhecer diante do público nesta sociedade marcada pelo machismo?
Debora: É difícil envelhecer diante do público, e também num País machista. Mas, ao mesmo tempo, você se torna uma atriz melhor, com mais domínio do seu ofício, mais madura. Portanto, tem um lado bom nisso. Mas, se você ficar buscando a juventude, é infelicidade na certa. É preciso aceitar o tempo e desfrutar do que ele tem de bom. Mas acho que o Brasil é um lugar difícil para as mulheres envelhecerem. Vejo minhas amigas europeias mais tranquilas com a idade delas, porque os homens também o são.
Viver: Você filmou Sonho sem fim em Pelotas. Então, existe uma ligação sua com o Rio Grande do Sul desde a década de 1980. Como ela foi e se mantém?
Debora: Minha relação com o Estado é sempre através do meu trabalho, e gosto muito disso. Quando você vai a um lugar com o trabalho, você se aproxima mais das pessoas do lugar do que quando vai a turismo. Fiz muitos amigos aqui. Filmei com Jorge Furtado, fiz vários textos do Verissimo, de quem sou fã, como Comédia da vida privada e um quadro do TV Pirata que chamava Sabrina, os diamantes não são para comer. Vim muitas vezes para o Rio Grande do Sul com teatro e estou feliz de voltar com uma nova peça agora.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia