Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de setembro de 2016. Atualizado às 19h29.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

Em Cena

Notícia da edição impressa de 13/09/2016. Alterada em 12/09 às 17h25min

23ª edição do Porto Alegre em Cena começa nesta terça-feira

Cida Moreira abre programação do Porto Alegre em Cena

Cida Moreira abre programação do Porto Alegre em Cena


NILTON SERRA/DIVULGAÇÃO/JC
Luiza Fritzen
Há mais de duas décadas movimentando as ruas e lotando as salas de teatro da Capital, começa hoje a 23ª edição do Porto Alegre em Cena. Serão duas semanas com mais de 35 espetáculos em 13 espaços da cidade, até 26 de setembro. A expectativa deste ano é de que mais de 22 mil pessoas assistam a produções brasileiras e internacionais de teatro, dança e música com ingressos entre R$ 10,00 e R$ 80,00.
Quem abre o festival hoje à noite é a cantora Cida Moreira, no Theatro São Pedro (Praça Mal. Deodoro, s/nº), às 21h. No show, a paulistana apresenta seu CD Soledade, cujas faixas foram escolhidas durante participação nas filmagens do longa-metragem Deserto. Intenso, melancólico, dramático e eclético, como a própria artista, o espetáculo promete uma reflexão sobre o Brasil e a região do Sertão.
Em sua versão mais enxuta, devido ao baixo investimento do governo em setores culturais, o festival internacional de artes cênicas acontece em tempo reduzido e com número menor de atrações se comparado a anos anteriores. Fernando Zugno, coordenador de programação e produção do evento, explica que, além do ingresso ter aumentado seu valor ao longo das edições, a sessão de shows que ocorria no Auditório Araújo Viana também ficará de fora. "Já tivemos 72 espetáculos e hoje optamos por produções com um elenco menor, o que inviabilizou trazer muitas companhias internacionais, por serem mais custosas", relata.
Apesar dos cortes, Zugno afirma que o festival segue com a mesma ideologia desde seu começo em 1993. "Nossa parte é trazer para Porto Alegre nomes de alto nível artístico e cultural com referências importantes do teatro no Brasil e no mundo com preços acessíveis para a população da Capital." A escolha da programação foi baseada em espetáculos e grupos que buscam uma linguagem estética e textos instigantes.
Uma das principais atrações deste ano é a montagem francesa BiT, que faz referência à música eletrônica ao reunir coreografias pulsantes e cheias de significados de um mundo hiperconectado. O contato com diferentes autores e diretores é um dos diferenciais do evento. Para o produtor, "o Em Cena é para as pessoas que não saem daqui, que não podem sair daqui, e que assim têm a oportunidade de ter contato com produções internacionais e de outros cantos do País".
Ao falar da importância do em Cena na capital gaúcha, o coordenador do evento cita as consequências geradas pela presença da cultura em qualquer ambiente. "É mais do que entretenimento e um momento de distração, ela educa e muda as pessoas e as gerações que virão depois delas." A arte como meio de desconstruir ideias e desenvolver senso crítico também é lembrada por Zugno, que afirma ainda ser essencial que o poder público reconheça o poder da cultura na sociedade, pois "é através dela que as pessoas se deparam com algo diferente que as choca e faz com que elas discutam sobre o que foi visto".
A onda de violência que tomou Porto Alegre nos últimos dias também é lembrada por Zugno, que acredita que a presença de festivais, sejam de música, circo ou cinema, produzam mais segurança ao ocuparem os espaços públicos. "É graças a esses eventos culturais que a cidade se enche de alegria, luz e movimento, e é um dos principais motivos que levam as pessoas às ruas e a conhecer e desfrutar mais da região onde moram", comenta.
A madrinha do 23º Porto Alegre em Cena é Inês Marocco, diretora de espetáculos, pedagoga e pesquisadora gaúcha. Além dos shows e espetáculos, o festival inclui em sua programação cerca de 20 atividades paralelas, oficinas e workshops - além disso, o Prêmio Braskem promete escolher os melhores do teatro gaúcho. A programação completa do evento, liderado port Luciano Alabarse, pode ser conferida no site www.portoalegreemcena.com.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia