Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de agosto de 2016. Atualizado às 10h50.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2016

Notícia da edição impressa de 24/08/2016. Alterada em 24/08 às 10h54min

Candidato defensor do Uber debate com taxistas em Porto Alegre

Marcus Meneghetti
"Sou contra o projeto do Executivo 14/2016 (que regulamenta o transporte de passageiros solicitado por aplicativos) por aprisionar os motoristas do Uber de uma maneira muito similar com a que acontece com os taxistas", declarou o candidato à prefeitura de Porto Alegre Fábio Ostermann (PSL) ontem, ao responder a primeira pergunta de taxistas em um encontro com diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintaxi).
Antes de responder às questões, o presidente do Sintaxi, Luiz Nozari, explicou a Ostermann que os questionamentos feitos aos candidatos "foram coletados em uma pesquisa entre os taxistas, em que expressaram os principais anseios da categoria". O assunto de maior interesse dos profissionais, conforme Nozari, foi a posição dos candidatos em relação "ao projeto de regulamentação do Uber".
Ao desenvolver sua posição sobre o assunto, o candidato do PSL evitou atritos com a categoria. "Não quero ser inimigo dos taxistas. Também não quero uma legislação que favoreça ao Uber. Quero uma legislação que favoreça à liberdade de mercado. Minha ideia não é restringir a atuação dos aplicativos, mas liberar os táxis para concorrer igualitariamente", complementou.
Perguntado sobre como seria a "igualdade", Ostermann disse que, caso seja eleito, pretende isentar os taxistas de muitas taxas que lhes são cobradas. "Acho que taxistas e motoristas do Uber devem pagar apenas ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza). As taxas tem que ser igualitárias para serviços igualitários", propôs.
Também falou que a isenção de taxas devem ser estendida ao transporte público coletivo, "que é um mercado a ser aberto". 
Ao falar isso, um dos representantes da associação questionou: "Caso implantasse a isenção de taxas como o senhor está falando, não teme que entrem na Justiça os taxistas que compraram uma placa e investiram no carro para cumprir as exigências? Não teme que as empresas de ônibus entrem também?".
"Eles teriam o direito de entrar na Justiça. Óbvio que teríamos que respeitar alguns prazos de concessões. Nada garante que ganharíamos as ações. Mas temos que abrir o mercado", respondeu Ostermann.
O representante sindical retrucou dizendo que, na sua opinião, a isenção de taxas proposta pelo candidato "teria grandes amarras na Justiça". Aí, o representante do PSL na disputa à prefeitura apenas disse: "mas temos que, no mínimo, fomentar esse debate". Além disso, Ostermann sustentou que é contrário ao sistema de placas, pois "não acredito em um número preestabelecido de táxis, nem no direito adquirido de mercado".
Ontem, a maior parte dos candidatos à prefeitura se envolveu com a gravação de programas para o horário eleitoral e entrevistas a veículos de comunicação. Luciana Genro (PSOL) teve um evento na Associação dos Delegados de Polícia (Asdep).
pageitem_23_08_16_22_22_51_pg_20.jpg
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia