Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de agosto de 2016. Atualizado às 11h28.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Rio-2016

18/08/2016 - 10h00min. Alterada em 18/08 às 11h29min

Nadadores norte-americanos retirados de voo se negam a depor à polícia

Gunnar Bentz e Jack Conger foram retirados de dentro da aeronave no aeroporto do Rio

Gunnar Bentz e Jack Conger foram retirados de dentro da aeronave no aeroporto do Rio


TASSO MARCELO/AFP/JC
Agência Brasil
A Polícia Federal impediu, na noite de quarta-feira (17), que dois nadadores da delegação dos Estados Unidos envolvidos no caso do suposto assalto na Lagoa, área nobre da zona sul do Rio de Janeiro, deixassem o Brasil.
Depois da negativa dos americanos em prestar depoimento na delegacia do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, a Polícia Civil divulgou, na manhã desta quinta-feira (18), que Jack Conger e Gunnar Bentz serão conduzidos coercitivamente para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido.
Bentz e Conger já haviam embarcado em uma aeronave que decolaria para Nova Iorque. Os dois foram retirados do voo por agentes federais. Por orientação de um advogado, a dupla não depôs no Galeão.
Ambos estão envolvidos na investigação feita pela Polícia Civil sobre uma possível falsa comunicação de crime e que envolve ainda outros dois nadadores norte-americanos, inclusive o medalhista olímpico Ryan Lochte e o nadador Jimmy Feigen.
Bentz e Conger não chegaram a comparecer à Delegacia de Proteção ao Turista para prestar queixa do suposto crime. Liberados no aeroporto, eles tiveram seus passaportes apreendidos pelos agentes federais, que cumpriram determinação judicial e se hospedaram em um hotel nas proximidades.
O advogado Sérgio Riera disse que os dois nadadores estão assustados e sem entender direito o que está acontecendo. Riera havia dito, antes do anúncio da condução coercitiva, que seus clientes só prestariam depoimento quando toda a "confusão" fosse desfeita.
"Há uma confusão porque a delegacia falava que eles estavam sendo mantidos no país como testemunhas e o despacho do juiz falava outra coisa. Enquanto isto não for solucionado eles não vão prestar depoimento - até nós compreendermos tudo o que aconteceu", disse o advogado. "Depois [que tudo for esclarecido] eles estão obviamente dispostos a colaborar com a Justiça e com a delegacia."

Apreensão de passaportes

A Justiça também havia determinado a apreensão dos passaportes dos outros dois nadadores envolvidos na suposta falsa comunicação de crime e a retenção dos passaportes dos dois. Lochte, no entanto, segundo confirmação da própria polícia, já deixou o Rio de Janeiro na última segunda-feira. Não há, no entanto, informações sobre o paradeiro de Jimmy Feigen.
Inicialmente, as informaram que chegaram à polícia indicavam que quatro nadadores norte-americanos haviam sido assaltados na madrugada do último domingo (14) quando saíam de uma festa na Hípica, na Lagoa, zona sul do Rio.
Eles disseram que pegaram um táxi e foram abordados por homens armados que se identificaram como policiais. Os supostos policiais teriam exigido dinheiro dos atletas, o que levou o Comitê Rio 2016 a pedir desculpas pelo ocorrido. A polícia, no entanto, viu contradições nos depoimentos dos nadadores, que se disseram bêbados demais por ocasião do assalto e não souberam nem mesmo identificar o local exato do assalto, nem que tipo de táxi pegaram.
Um vídeo divulgado pelo jornal britânico Daily Mail veio expor ainda mais a contradição sobre o corrido, principalmente em relação ao horário do suposto assalto. Nele, os nadadores aparecem chegando à Vila dos Atletas, na Barra da Tijuca, por volta das 6h56, em clima de excessiva descontração para quem acabava de ser assaltado e pressionados por uma arma engatilhada na cabeça, conforme relatou Lochte em depoimento na Delegacia de Proteção ao Turísta (Deat), no Leblon, na zona sul da cidade.
Os quatro nadadores chegaram à portaria da Vila dos Atletas e passaram naturalmente pelos aparelhos detectores de metal, depositaram seus pertences, inclusive a credencial e os telefones celulares, e brincaram uns com os outros. Lochte chega a brincar com Feigen, batendo com sua credencial na cabeça do colega. O vídeo mostra, ainda, que os nadadores não estavam tão bêbados como informaram à polícia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia