Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de agosto de 2016. Atualizado às 09h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 18/08 às 10h01min

Dólar ganha força no exterior com dados dos EUA e, no Brasil, após BCE

O fortalecimento do dólar no exterior após a divulgação de indicadores nos Estados Unidos influencia o câmbio doméstico nesta quinta-feira (18). Já o euro foi às máximas ante o dólar mais cedo, após a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que, apesar de ter destacado que a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia criou novos obstáculos para a economia da zona do euro, avaliou que era muito cedo para discutir novos estímulos.
Às 9h33min, o dólar à vista subia 0,39%, a R$ 3,2179. O dólar futuro para setembro subia 0,42%, a R$ 3,2325. No exterior, o euro subia a US$ 1,1334.
No Brasil, o dólar ganhou força antes dos dados americanos, após o BCE. O diretor da corretora Mirae, Pablo Spyer, disse que "sem sinais de novos estímulos para a zona do euro, não há reforço da liquidez global e o dólar tende a se apreciar ante o real".
Nos EUA, os novos pedidos de auxílio-desemprego tiveram recuo de 4 mil na semana encerrada em 13 de agosto, para 262 mil. Analistas previam 265 mil. O dado segue em um nível consistente com contratações constantes no mercado de trabalho americano.
Além do exterior, a derrota do governo com a suspensão na quarta-feira, por falta de quórum, da votação da proposta de Emenda à Constituição (PEC) que recria a Desvinculação de Receitas da União (DRU) também traz cautela.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia