Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de agosto de 2016. Atualizado às 10h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

05/08/2016 - 10h20min.

Dólar enfraquece no exterior, mas segue em queda ante real após emprego nos EUA

O dólar ganhou força ante o euro e iene após o relatório de emprego dos Estados Unidos de julho vir bem mais forte que o esperado. Em relação ao real, o dólar reduziu perdas pontualmente, mas na metade da manhã desta sexta-feira (5), voltava aos níveis de antes do dado ser divulgado.

Às 9h39min, o dólar no mercado à vista registrou mínima aos R$ 3,1765 (-0,53%), ante máxima aos R$ 3,1893 (-0,13%). No mesmo horário, o dólar futuro para setembro caía 0,50%, aos R$ 3,2045. O euro caía a US$ 1,1089, ante US$ 1,1132 no fim da tarde de quinta-feira. O dólar subia a 101,48 ienes, de 101,17 ienes no fim da tarde de quinta.

Os Estados Unidos geraram 255 mil empregos em julho, acima da expectativa de abrir 179 mil vagas. Além disso, revisões mostraram que os empregadores dos EUA geraram 18 mil vagas a mais em maio e junho que o antes estimado. No caso de junho, o dado foi revisado de 287 mil antes informados para 292 mil. Já a taxa de desemprego nos EUA permaneceu em 4,9% em julho, mesmo valor registrado em junho e abaixo da previsão de analistas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia