Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de julho de 2016. Atualizado às 11h15.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Imprensa

20/07/2016 - 10h56min. Alterada em 20/07 às 11h17min

Jornalista russo morre em explosão de bomba na Ucrânia

A man lights a candle on the site where Belarus-born journalist Pavel Sheremet was killed in a car bomb in central Kiev on July 20, 2016. An award-winning journalist who interviewed Ukraine's top politicians, Sheremet was widely admired in the pro-Western country. Sheremet, who was 44, was a close friend of Russian opposition politician Boris Nemtsov, who was shot dead close to the Kremlin last year.

Repórter saiu de casa, ligou o automóvel e andou poucos metros antes que o veículo fosse pelos ares


SERGEI SUPINSKY / AFP/JC
Agência Brasil
O jornalista russo Pavel Sheremet morreu nesta quarta-feira (20) na explosão de uma bomba colocada no carro em que estava em Kiev, capital da Ucrânia. O repórter saiu de casa, ligou o automóvel e andou poucos metros antes que o veículo fosse pelos ares. Sheremet vivia no país havia cinco anos e trabalhava para o jornal local Ukrayinska Pravda, que também publica textos em russo.
Segundo o diário, a explosão ocorreu por volta de 7h45min (horário local), perto da Ópera de Kiev. O carro era da diretora do jornal, Olena Pretula, e a polícia investiga o caso como "homicídio premeditado". "O assassinato de um cidadão e jornalista russo na Ucrânia é motivo de grande preocupação do Kremlin", declarou o porta-voz do presidente Vladimir Putin, Dmitry Peskov, pedindo também um inquérito "parcial e rápido" para esclarecer o caso.
Atualmente, a Ucrânia ainda luta para recuperar o controle total das regiões orientais de Lugansk e Donetsk, dominadas por movimentos separatistas pró-Moscou. A guerra civil no país já dura dois anos e meio e deixou aproximadamente 10 mil mortos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia