Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de junho de 2016. Atualizado às 22h30.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Gestão Pública

Notícia da edição impressa de 17/06/2016. Alterada em 16/06 às 21h11min

Combate à corrupção é alvo de evento de controle interno

Capital reuniu integrantes de controladorias de estados e municípios

Capital reuniu integrantes de controladorias de estados e municípios


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Lívia Araújo
O papel de órgãos de controle interno da administração pública como instrumentos de combate à corrupção e otimização dos investimentos públicos foi enfatizado, nesta quinta-feira, pelo prefeito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT), na 19ª reunião técnica do Conselho Nacional de Controle Interno (Conaci). O encontro acontece em Porto Alegre até esta sexta-feira e reúne cerca de 40 representantes das controladorias de estados e municípios.
"Apesar da crise política e econômica que atravessamos, é importante poder refletir sobre a crise ética e moral. Operações como a Zelotes e a Lava Jato tumultuam o ambiente político, mas devem ser saudadas. O controle interno e externo no uso do dinheiro público deve se dar com regras claras", disse, na cerimônia de abertura do evento.
Fortunati também manifestou preocupação quanto a uma possível mudança de rumos com a extinção da Controladoria-Geral da União (CGU), determinada pelo governo interino de Michel Temer (PMDB), que renomeou o órgão como Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle. "A grande pergunta de todo mundo é se a mudança do nome traz embutida outra transformação. É fundamental que o governo federal mantenha as características da CGU. Esse é o pedido que todo mundo faz nesse momento de turbulência", declarou.
Também presente na reunião, o presidente do Conaci e auditor-geral do Estado do Pará, Roberto Paulo Amoras, pregou ação colegiada e troca de experiências para o aprimoramento do controle das finanças públicas. "É preciso otimizar e racionalizar gastos, e o momento do País tem proporcionado um momento ímpar para isto", observou.
Representantes dos estados do Ceará, Espírito Santo e a Controladoria-Geral do Município (CGM) de Porto Alegre apresentaram cases na área de controle interno, abordando temas como a identificação de fraudes em licitações e planejamento de auditorias. O ex-controlador-geral da Capital Cleber Danelon falou sobre a implantação da nova contabilidade pública na prefeitura de Porto Alegre. O processo levou 10 meses entre 2015 e 2016, e envolveu a automatização de processos contábeis no município, passando de 23% para 75% dos lançamentos contábeis.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia