Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de junho de 2016. Atualizado às 22h16.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Clima

Notícia da edição impressa de 20/06/2016. Alterada em 19/06 às 22h11min

Inverno será mais rigoroso que o de 2015

Porto Alegre teve cerração e temperaturas baixas neste domingo

Porto Alegre teve cerração no domingo, e temperaturas não passaram de 10,4 graus


JONATHAN HECKLER/JC
Apesar de o frio intenso já ser sentido há algumas semanas, o inverno começará oficialmente hoje, às 19h34min. Segundo a MetSul Meteorologia, as características da estação neste ano serão muito diferentes em comparação com o anterior. Ao contrário de 2015, quando as temperaturas foram amenas, mas as chuvas foram frequentes, devido ao fenômeno El Niño, em 2016, o inverno será seco, mas rigoroso.
No Rio Grande do Sul, o inverno ocorre sob influência de ciclones extratropicais intensos no Atlântico Sul, responsáveis por impulsionar massas de ar muito gelado para o Estado. Quando potente, o ciclone gera o vento Minuano, sensações térmicas negativas, mínimas muito baixas, geada ampla e até mesmo neve.
A preocupação principal neste ano é com épocas de transição de períodos amenos ou quentes para frios, quando haverá propensão a formação de temporais com vento forte, granizo e mesmo grandes ciclones. Em agosto, crescerá o risco de granizo. Em setembro, a atenção maior será com a possibilidade de vendavais. O Rio Grande do Sul já teve registros de tornados graves no inverno, especialmente na Serra.
Neste ano, os episódios de chuva mais volumosa ocorrerão com as frentes frias e os centros de baixa pressão. Não deve haver excessos generalizados, mas, pontualmente, podem acontecer chuvas muito volumosas e até com cheias.
Segundo a meteorologista da MetSul Estael Sias, o clima não respeita calendário e, neste ano, o chamado "inverno climático" teve início ainda no final de abril, sob a influência de uma poderosa massa de ar polar que gerou o maio mais frio desde 1988 e um dos meses de junho mais gelados já vistos em um século. A tendência é que o frio prossiga, mas com algumas tréguas.
"São quase 60 dias seguidos de frio a muito frio, o que é uma excepcionalidade, pois a regra é haver variação com jornadas amenas e algumas até quentes. Outros 60 dias seguidos de frio contínuo daqui para frente seriam uma improbabilidade estatística imensa", observa Estael. Mesmo assim, ressalta a meteorologista, é importante se preparar para um "alto número de jornadas de frio intenso", mas não contínuas.
O fim de semana foi de frio e cerração no Estado. No sábado, a temperatura mínima foi de 2,6 graus negativos em Cambará do Sul, conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A máxima foi registrada em São Borja e em Quaraí, com 18,1 graus. Houve geada em Santa Maria, Bagé, São Luiz Gonzaga e Cambará do Sul. No domingo, fez 2,8 graus negativos em Cambará do Sul e máxima de 18,4 graus em São Luiz Gonzaga. Foi registrada geada em Santa Maria, Bagé, Passo Fundo, São Luiz Gonzaga e Cambará do Sul. Em Porto Alegre, em ambos os dias, foi percebida forte neblina baixa. As temperaturas oscilaram pouco, entre 5,3 e 10,4 graus.
Hoje, o céu ficará parcialmente nublado, com possibilidade de geada nos Campos de Cima da Serra, Encosta Inferior e Superior do Nordeste e Planalto Médio. A temperatura será de 3 graus negativos a 18 graus. Na Capital, as marcas ficarão entre 7 e 12 graus. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia