Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de maio de 2016. Atualizado às 20h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Novo Governo

16/05/2016 - 20h38min. Alterada em 16/05 às 20h38min

Mudança da meta fiscal pode ficar para semana que vem, diz Jucá

Agência Brasil
O novo ministro do Planejamento, Romero Jucá, comentou em sua conta no Twitter a aprovação da meta fiscal para 2016. Segundo ele, a votação da mudança na meta pelo Congresso Nacional pode ficar para a próxima semana, mas não pode ultrapassar o dia 30 de maio.
O prazo para aprovação da mudança da meta é 22 de maio. Caso não ocorra, a equipe econômica tem de fazer um corte adicional de despesas que pode paralisar a máquina pública.
A equipe econômica da presidenta afastada Dilma Rousseff pediu autorização ao Congresso para um déficit primário de R$ 96,7 bilhões este ano. Mas, em sua primeira entrevista após assumir o Ministério da Fazenda, Henrique Meirelles disse que o déficit ultrapassa esse valor.
Um dos motivos é que há receitas superestimadas no Orçamento, como as previstas com a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que não foi aprovada pelo Congresso. Jucá escreveu no Twitter que o fechamento do valor total do déficit fiscal depende do balanço da Eletrobrás e da renegociação das dívidas dos estados.
O ministro disse também que a votação da alteração da meta depende da Comissão Mista de Orçamento (CMO). Ainda não está definido se a comissão será instalada ou se a apreciação da meta fiscal acontecerá diretamente no plenário do Congresso Nacional.
Jucá também usou a conta no Twitter para falar sobre a escolha da economista Maria Silvia Bastos Marques, ex-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, para a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), confirmada hoje pelo presidente interino Michel Temer. "É uma ótima escolha", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia