Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de maio de 2016. Atualizado às 23h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 11/05/2016. Alterada em 10/05 às 23h08min

Reunião sobre demissões na GM não chega a acordo

Sindicato e representantes da montadora voltam a se encontrar hoje

As duas partes voltam a se encontrar hoje, em Gravataí, sem a participação do Tribunal


MARCO QUINTANA/JC
A reunião entre a General Motors (GM) e o Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí (Sinmgra), realizada ontem no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 4ª Região, em Porto Alegre, terminou sem acordo após mais de duas horas de negociações. A audiência, mediada pelo desembargador João Pedro Silvestrin, tratou da demissão de 300 funcionários da montadora no início do mês de maio. As duas partes voltam a discutir o assunto hoje, em Gravataí, sem a presença do Tribunal. Para dar continuidade às tratativas no TRT, um novo encontro acontecerá na próxima segunda-feira.
O objetivo do sindicato era reverter o desligamento de todos os trabalhadores, alegando não haver necessidade de novos cortes no quadro funcional, mas a entidade diz ter encontrado forte resistência por parte da empresa. Agora, as conversas passam a girar em torno do pagamento de indenizações. "Estamos empenhando todos os esforços para garantir que os trabalhadores recebam integralmente, pois, mais do que nunca, precisam ter este dinheiro para recomeçarem suas trajetórias profissionais", destaca o presidente do Sinmgra, Valcir Ascari.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia